Após novas sanções dos EUA, Irã interrompe diálogo nuclear

'Medida contradiz a verdadeira essência do acordo alcançado em Genebra', diz diplomata

O Estado de S. Paulo,

13 de dezembro de 2013 | 07h36

VIENA - Um dia depois de os Estados Unidos adotarem novas sanções contra indivíduos e empresas que fizeram transações financeiras com o Irã, o país persa interrompeu nesta sexta-feira, 13, os contatos técnicos que eram realizados em Viena com o grupo 5+1 (EUA, China, Rússia, Alemanha, Grã-Bretanha e França) e a Agência Nuclear de Energia Atômica (AIEA).

Os diplomatas iranianos retornaram para Teerã para consultas com o governo local. A próxima rodada das negociações entre Irã e o G5+1 está prevista para o próximo 21 de janeiro em Teerã.O vice-chanceler Abbas Aragchi, no entanto, fez críticas duras à decisão dos EUA, em declarações à agência estatal Irna.

"Estamos avaliando a situação e o Irã reagirá de acordo com as novas sanções impostas a 19 empresas e indivíduos", disse o diplomata "Essa medida contradiz a verdadeira essência do acordo alcançado em Genebra",

Por meio de um porta-voz , a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, afirmou que o G5+1 e o Irã precisam de mais tempo para implementar o acordo. "Refletindo a complexidade das questões técnicas discutidas, ficou claro que é necessário mais trabalho", disse o representante de Ashton, Michael Mann. Segundo ele, haverá consultas entre os governos envolvidos nas conversas e que novas reuniões devem ocorrer em breve.

O porta-voz não entrou em detalhes sobre questões específicas que podem ter criado problemas. Mais cedo, diplomatas disseram que era uma questão muito complicada transformar o acordo provisório fechado em 24 de novembro em um plano de ação concreto.

As conversas em Viena pretendem colocar em prática o acordo de Genebra, que prevê um congelamento parcial das atividades nucleares do Irã em troca de um levantamento limitado das sanções internacionais.

Sob pressão do Congresso para mostrar que não está aliviando a pressão sobre o programa nuclear iraniano, a Casa Branca anunciou na quinta-feira a expansão da lista de empresas e indivíduos ligados ao governo do Irã com transações financeiras bloqueadas no mundo todo. Entre as novas empresas colocadas na lista negra do governo americano estão duas empresa com base em Cingapura, que ajudam a transferir dinheiro para firmas iranianas. / EFE, REUTERS e NYT

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.