Após o Iraque cuidaremos da Síria, diz ex-diretor da CIA

Um ex-diretor da CIA, James Woolsey, afirmou a um jornal austríaco que "depois de uma mudança de regime no Iraque, devemos ocupar-nos da Síria". "Devemos exercer fortes pressões para afastar os sírios do Líbano e para pôr fim a seu apoio ao (movimento fundamentalista) Hezbollah", disse Woolsey em uma entrevista publicada pelo jornal Viena Die Presse. Woolsey, que foi diretor dos serviços de inteligência americanos entre 1993 e 1995, acrescentou que dessa forma "debilitaríamos também o Irã, do qual as milícias do Hezbollah são um instrumento". Os mulás do Irã "já sentem o terreno movediço sob seus pés, já perderam o apoio dos estudantes, das mulheres e das forças reformadoras", disse o ex-chefe de inteligência, acrescentando que "eles devem sentir-se como os habitantes de Versailles em 1788, ou os do Kremlin em 1988". "Uma vez que a parte meridional do Líbano tenha se livrado do Hezbollah e dos terroristas, será mais provável que Israel e os palestinos, organizados de maneira democrática, possam encontrar um modo de convivência e chegar a um acordo de paz", disse.

Agencia Estado,

26 de fevereiro de 2003 | 13h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.