Após pagamento de resgate, jornalista é libertado nas Filipinas

Outros dois reféns devem ser soltos em breve, diz polícia; eles viajaram para entrevistar membros do Abu Sayyaf

Efe,

13 de junho de 2008 | 01h46

Um dos jornalistas seqüestrados pelo grupo radical islâmico Abu Sayyaf no sul das Filipinas foi libertado após o pagamento de US$ 45 mil, indicaram nesta sexta-feira, 13, fontes policiais. O repórter Angelo Valderrama foi libertado na noite de quinta-feira, 12, na aldeia de Sinumaan, na província de Sulu, onde continuam retidos a jornalista Ces Drilon e o câmera Jimmy Encarnacion. "Valderrama se encontra bem e não apresenta marcas de violência", disse o responsável policial da região. A libertação aconteceu com a mediação do prefeito da cidade de Indanan, Isnaji Álvarez, antigo líder da legalizada Frente Moura de Libertação Nacional e candidato a governador da Região Autônoma do Mindanao Muçulmano, onde se encontra a província de Sulu. O diretor-geral da Polícia Nacional, Avelino Razon, disse que as negociações estão sendo positivas, e que os demais reféns podem ser libertados ainda nesta sexta-feira. Os três jornalistas viajaram ao sul das Filipinas convidados pelo professor Octavio Dinampo, da Universidade Estatal de Mindanao, para entrevistar membros do Abu Sayyaf. No último domingo, Dinampo pegou os jornalistas em seu hotel. Quando eles estavam em uma estrada próxima à aldeia de Kulasi, foram interceptados por um grupo de homens armados, membros do grupo radical islâmico. Fundado em 1993, por ex-combatentes da guerra do Afeganistão contra a antiga União Soviética, o Abu Sayyaf é acusado de cometer alguns dos ataques mais sangrentos do país nos últimos anos. O grupo radical reivindica a formação de um Estado islâmico independente na Indonésia, Malásia e no sul das Filipinas e da Tailândia.

Tudo o que sabemos sobre:
FilipinasseqüestroAbu Sayyaf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.