Após pancadaria, Parlamento de Seul aprova lei polêmica

Medida permitirá que imprensa escrita sejam donas de TVs; liderança do governo precisou de escolta

Efe,

22 de julho de 2009 | 09h19

Foto: AP

 

SEUL - Depois de uma pancadaria generalizada entre deputados, o Parlamento da Coreia do Sul aprovou nesta quarta-feira, 22, uma polêmica lei que permite às empresas que atuam na imprensa escrita serem donas também de redes de televisão.

 

Diante da repercussão da lei, diversos sindicatos de profissionais de comunicação sul-coreanos iniciaram uma greve de 100 horas contra a reforma, a qual se uniu o sindicato da rede de televisão pública KBS. Após a aprovação da lei, um membro do Escritório Presidencial sul-coreano citado pela Yonhap disse que a nova legislação era uma opção inevitável para garantir uma maior competitividade do setor. No entanto, várias pesquisas publicadas nos últimos meses demonstraram que a maioria dos cidadãos sul-coreanos se opõe a essa lei por receio de que os principais diários conservadores e conglomerados do país possam controlar a opinião pública por meio da imprensa.

 

Segundo a agência Yonhap, as três emendas que reformam a atual lei sobre os meios de comunicação foram aprovadas com a rejeição da principal força opositora sul-coreana, o Partido Democrático (PD) e em meio a cenas de violência.

 

Alguns analistas criticaram o governo conservador por pretender usar esta lei para controlar a opinião pública a fim de garantir o poder nas próximas eleições. As emendas foram aprovadas com os votos a favor dos deputados governamentais, que são maioria (169 de 299 cadeiras), e depois de o deputado Lee Yoon-sung, vice-presidente do Parlamento sul-coreano, pedir escolta para presidir a votação.

 

Os legisladores da força opositora, o Partido Democrático (PD), que conta com 84 cadeiras, se ausentaram da votação e tentaram impedi-la bloqueando a entrada dos deputados governamentais na sala do Parlamento. Antes da votação, os deputados governistas e da oposição discutiram aos berros e depois iniciaram uma pancadaria generalizada.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.