Após polêmica, parada gay de Jerusalém é cancelada

Organizadores concordaram em substituir um passeata gay pelas ruas de Jerusalém por uma concentração no estádio de uma universidade num extremo da cidade, informou a polícia israelense nesta quinta-feira, 9. O porta-voz Micky Rosenfeld adiantou que 3.000 policiais foram escalados para proteger o evento na noite de sexta, 10 - número que pode ser reforçado caso ocorram protestos maiores de opositores. A polícia havia decidido deslocar 9.000 efetivos para a rua onde ocorreria a passeata depois de uma semana de violentos protestos diários de judeus ultraortodoxos que ameaçavam atacar a manifestação. Durante a passeata gay do ano passado em Jerusalém, um judeu ultraortodoxo feriu a facadas três participantes. Este ano, os judeus ultraortodoxos receberam o apoio de líderes cristãos e muçulmanos em sua oposição à passeata, pelo que Jerusalém representa para as três religiões. Originalmente, a passeata deveria ocorrer, como no ano passado, numa rua do centro de Jerusalém, mas depois foi reprogramada para um subúrbio e culminaria com uma concentração no estádio próximo da Universidade Hebraica. Hoje, Rosenberg disse que os organizadores concordaram em realizar apenas a concentração no estádio.

Agencia Estado,

09 Novembro 2006 | 19h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.