Gerard Cerles/Reuters
Gerard Cerles/Reuters

Após polêmica, Sarkozy elogia papel americano no Haiti

Presidente francês ameniza tom crítico após ministro acusar EUA de tentarem 'ocupar país após terremoto

estadao.com.br,

19 de janeiro de 2010 | 09h37

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, elogiou nesta terça-feira, 19, o papel americano na ajuda humanitária ao Haiti, devastado por um terremoto no último dia 12. Em comunicado, o líder francês saudou a mobilização excepcional do presidente Barack Obama.

Disputa política:

linkEUA, França e Brasil travam disputa política, diz 'Spiegel'

linkEUA não vão se sobrepor a Minustah no Haiti, diz adido militar

linkPara analistas, Obama tenta super ar lições do Katrina

Ontem, o ministro da Cooperação de Sarkozy, Alain Joyandet pediu às Nações Unidas para esclarecer o papel americano no Haiti. "Precisamos ajudar o Haiti, não ocupá-lo", disse.

"As autoridades francesas estão muito satisfeitas com a cooperação entre nossos países e com a coordenação permanente entre a nossa chancelaria e o departamento de Estado", acrescentou.

ONU elogia EUA

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

Elisabeth Byrs, uma porta-voz da Organização das Nações Unidas (ONU), afirmou hoje que a coordenação da resposta ao terremoto no Haiti está ocorrendo com sucesso.

Ela também rechaçou as críticas sobre como os Estados Unidos têm controlado o aeroporto de Porto Príncipe, afirmando que ele não estaria em funcionamento caso os militares norte-americanos não tivessem ajudado.

Além disso, notou que os EUA têm feito um ótimo trabalho de auxílio para a empobrecida nação caribenha.A porta-voz da ONU afirmou que a entidade mundial está no comando do esforço para coordenar o auxílio. Segundo ela, porém, as missões norte-americanas no país não necessitam da autorização da ONU.

Polêmica

 

A ação americana no Haiti já havia sido criticada pelo governo brasileiro, que comanda a missão de paz da ONU no país. A decisão de Obama de enviar 10 mil soldados ao Haiti para coordenar a ajuda humanitária provocou desconforto em Brasília.

No domingo, ONU, Brasil e EUA definiram seus papéis no Haiti após uma teleconferência. Enquanto a ONU coordena os esforços junto com o governo local, o Brasil cuidará da segurança e os americanos da distribuição da ajuda.

Com informações da Associated Press

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.