Após protesto contra americanos, Cabul terá toque de recolher

As autoridades afegãs impuseram nesta segunda-feira um toque de recolher em Cabul devido aos violentos distúrbios que causaram a morte de 14 pessoas, depois de um acidente de trânsito envolvendo um veículo militar dos Estados Unidos.O toque de recolher ficará em vigor na capital afegã das 22h de segunda até as 4h de terça, informou o Ministério do Interior afegão.O Governo afegão também pediu aos habitantes de Cabul que evitem as concentrações públicas, segundo a rede de televisão estatal. Em mensagem televisionada, o presidente afegão, Hamid Karzai, advertiu hoje que tomará "medidas sérias" contra os responsáveis pelos atuais distúrbios em Cabul.Segundo os registros dos seis hospitais de Cabul, 14 pessoas morreram e outras 142 ficaram feridas, a maioria delas devido a tiros, mas os números oficiais indicam que as vítimas fatais são cinco.Após um acidente de trânsito que envolveu um veículo militar americano, milhares de manifestantes foram às ruas da capital afegã aos gritos de "Morte aos Estados Unidos", "Morte a Karzai" e "Morte à Polícia".Muitos deles saquearam e atearam fogo em vários veículos, lojas, uma creche, quatro unidades móveis da rede Ariana TV e parte do luxuoso hotel Serena.A porta-voz das tropas americanas em Cabul, tenente Tamara Lance, disse à EFE que uma pessoa morreu e outras seis ficaram feridas quando um veículo americano provocou um acidente por causa de um falha mecânica, e colidiu contra vários carros civis.Outras informações indicam que os militares americanos bateram com seu veículo em três carros civis para abrir passagem e, após ficarem presos na estrada, dezenas de afegãos cercaram o carro e começaram a protestar. Os americanos responderam abrindo fogo contra a multidão.O presidente afegão disse que investigará se a batida do veículo americano foi proposital e, caso tenha sido, "pediremos à coalizão que entregue (o motorista do carro dos EUA) para julgarmos"."Consideramos os insurgentes inimigos do Afeganistão", disse Karzai, ao mesmo tempo em que pedia ao povo que resistisse a esse tipo de "pessoas oportunistas" e que não deixem "destruir o país novamente e facilitar as invasões de outros países". TalebanTambém nesta segunda-feira, militares americanos anunciaram ter matado dezenas de milicianos talebans num bombardeio aéreo no sul do Afeganistão. Num comunicado, os militares afirmaram ter bombardeado uma concentração de talebans no distrito de Kajaki, da vizinha província de Helmand, na noite de domingo. Os militantes teriam atacado inicialmente forças de segurança afegãs e depois recuado. Aviões americanos "rastrearam os mais de 30 inimigos combatentes" até um conhecido complexo do Taleban e o destruiu com bombardeios aéreos, explicou o comunicado. Dezenas de milicianos teriam morrido.O vice-governador da província, Amir Mohammed Akhunzada, disse acreditar que mais de 50 milicianos foram mortos, entre eles comandantes do Taleban, apesar de a polícia ainda não ter conseguido chegar ao local montanhoso para confirmar as baixas.Também hoje, milicianos emboscaram uma patrulha militar do Canadá 20 km a oeste de Kandahar. Cinco soldados canadenses ficaram feridos, um gravemente, e seis milicianos morreram nos combates que se seguiram.A polícia também anunciou ter encontrado em Helmand os corpos decapitados de três policiais que haviam desaparecidos dois dias atrás. Oficiais responsabilizaram milicianos talebans pelo crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.