Após rebaixamento dos EUA, bolsas têm dia tenso

Mercados de São Paulo e Nova York abrem em queda; índices negativos também na Europa e Ásia.

BBC Brasil, BBC

08 de agosto de 2011 | 11h39

As bolsas de Nova York e São Paulo acompanharam o movimento de pregões em todo o mundo e abriram em baixa nesta segunda-feira, o primeiro dia de transações após o rebaixamento da dívida americana na semana passada.

Em Wall Street, o índice Dow Jones caiu 1,55% nos primeiros 15 minutos de atividade, queda menor do que o esperado. No final da manhã, no entanto, o índice apresentava queda de 2,41%.

A Bovespa chegou a operar em queda de 3,99% e permanecia instável na manhã desta segunda-feira.

As quedas eram esperadas após o rebaixamento da nota de crédito dos Estados Unidos de "AAA" para "AA+" pela agência de risco Standard & Poor's depois do fechamento do mercado americano na semana passada.

Ásia e Europa

As bolsas da Ásia e da Austrália fecharam esta segunda-feira em baixa.

O índice Nikkei, do Japão, caiu 2,4%, enquanto a bolsa da Coreia do Sul teve queda de 5%, e Hong Kong, de 4%.

As bolsas europeias reagiram bem no início do pregão à intervenção do Banco Central Europeu, que comprou títulos da dívida pública de Itália e Espanha, que sofrem com elevadas dívidas.

Mas ao final da manhã, o principal índice europeu, O FTSE 100 operava em baixa de 2,54%, a 11ª sessão consecutiva de queda.

Calcula-se que as ações europeias tenham perdido cerca de US$ 920 bilhões nas últimas seis sessões, mais do que o PIB combinado de Grécia, Portugal e Irlanda.

No final de semana, o G7, o grupo das sete maiores economias mundiais, anunciou que tomará todas as medidas necessárias para garantir estabilidade financeira diante da crise provocada pela dívidas dos Estados Unidos e dos países da zona do euro.

Nesta segunda-feira, os países do G20, o bloco formado pelas principais economias mundiais e as mais importantes economias emergentes, se comprometeram a tomar ações para assegurar a estabilidade dos mercados e o crescimento econômico mundial.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.