Maxim Shipenkov/Efe
Maxim Shipenkov/Efe

Após referendo por autonomia, Donetsk fará 'operação contraterrorista'

Comandante das Forças Armadas disse que oficiais ucranianos têm 48 horas para jurar lealdade ou deixar região

O Estado de S. Paulo,

12 Maio 2014 | 15h39

DONETSK - O comandante das Forças Armadas da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD), Igor Strelkov, anunciou nesta segunda-feira, 12, o início de uma "operação contraterrorista" em resposta à ofensiva de Kiev contra as fortificações pró-Rússia.

Um documento assinado por Strelkov, que hoje se proclamou comandante das Forças Armadas da região insurgente, determina a realização da operação, informam as agências russas, e declara que "todas as formações militares, órgãos de segurança e a polícia" estão submetidas as ordens do novo comandante.

Strelkov deu um prazo de 48 horas para os oficiais e soldados das Forças Armadas, do Serviço de Segurança da Ucrânia e do Ministério do Interior jurarem lealdade ao novo Estado. "Têm 48 horas para jurar lealdade à RPD ou abandonar seu território. Todos os que ficarem sob o comando da RPD terão garantidos manutenção do grau militar, salário e contribuições sociais."

As autoridades da autoproclamada República Popular de Donetsk consideram "ilegal a partir de agora" qualquer presença das forças de segurança e da ordem ucranianas em seu território. Foi ordenada também a detenção de todos os "guerrilheiros de grupos neonazistas, entre os quais se inclui o Praviy Sektor e a Guarda Nacional da Ucrânia", criada pelas autoridades ucranianas após derrubada do presidente Viktor Yanukovich.

As autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Luhansk anunciaram nesta segunda sua independência, respaldadas pelos resultados das consultas de autodeterminação realizadas domingo sem reconhecimento internacional ou do governo ucraniano.

Segundo dados dos próprios separatistas, 89,7% dos eleitores que votaram em Donetsk se pronunciaram a favor da autonomia. Em Luhansk, 96% das pessoas optaram pela autonomia./ EFE

 
Mais conteúdo sobre:
crise na Ucrânia Donetsk Forças Armadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.