Após rejeitar acordo, presidente do Iêmen volta a dizer que vai renunciar

Ali Abdullah Saleh já desistiu de deixar o cargo outras vezes e segue enfrentando revolta popular

Agência Estado

19 de maio de 2011 | 20h15

SANAA - O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, prometeu nesta quinta-feira, 19, assinar um acordo que colocaria um ponto final em seu governo de décadas, disse o porta-voz Ahmed al-Sufi, enquanto o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu que o líder transfira o poder.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

 

A oposição repeliu a promessa de Saleh, acusando-o de protelação. Saleh já rejeitou o acordo antes - a vez mais recente há apenas 24 horas antes de sua última promessa de firmá-lo. O Iêmen já contabiliza três meses de manifestações exigindo a saída de Saleh. Uma violenta repressão ordenada pelo presidente deixou cerca de 180 mortos. Saleh governa como autocrata há 32 anos.

 

 

Os EUA, que até recentemente consideravam Saleh como um aliado importante na luta contra a ramificação iemenita da Al-Qaeda, recuaram pedindo sua renúncia. O esforço mais recente para acabar com a crise política do Iêmen pareceu erodir ontem. O Conselho de Cooperação do Golfo tem procurado intermediar um acordo, apoiado por Washington, para que Saleh deixe o poder em troca de imunidade contra processos judiciais.

 

Mas Saleh se recusou a assiná-lo, instigando o líder da coalizão, Abdul-Latif al-Zayyani, a deixar o Iêmen. Nesta quinta, o porta-voz presidencial disse que Saleh mudou de ideia e resolveu assinar o acordo no domingo durante a comemoração do Dia Nacional do Iêmen, no Palácio Presidencial, em Sanaa. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.