Lucas Jackson/Reuters
Lucas Jackson/Reuters

Após revisão em contagem, Nova York registra mais de 10 mil mortos

Cidade é considerada epicentro da pandemia nos Estados Unidos, que somaram 2.228 mil óbitos nas últimas 24 horas

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2020 | 22h33

NOVA YORK -  A cidade de Nova York ultrapassou nesta terça-feira, 14, a marca de 10 mil mortos por covid-19. O número de vítimas aumentou significativamente após autoridades passarem a incluir pessoas que não foram testadas, mas 'presumivelmente' portavam o novo coronavírus, na contagem oficial.

Os novos números foram divulgados pelo Departamento de Saúde da cidade e parecem aumentar a contagem total de mortes nos Estados Unidos em 17%,  somando mais de 26 mil óbitos. 

"Embora esses dados reflitam o trágico impacto que o vírus teve em nossa cidade, eles também nos ajudarão a determinar a escala da epidemia e nos guiarão em nossas decisões", disse o comissário de saúde da cidade, Oxiris Barbot. 

O Estado de Nova York foi severamente afetado pela rápida expansão da pandemia, concentrando quase metade das mortes por coronavírus no país. 

Na semana passada, o prefeito Bill de Blasio admitiu que o número oficial de óbitos na cidade provavelmente subestimava a extensão do surto. 

Ele explicou que muitas pessoas que perderam suas vidas em casa não foram contabilizadas como mortas por covid-19, embora provavelmente esta tenha sido a causa. Suspeita-se que as mortes adicionais também tenham ocorrido em lares de idosos e outras instituições de assistência. 

Os números "prováveis" destacam a falta de testes em massa para o vírus.  Antes que a cidade incluísse as possíveis mortes por covid-19, o estado de Nova York havia registrado quase 11.000 óbitos. As hospitalizações e infecções, no entanto, estão caindo e o governador Andrew Cuomo declarou que "o pior já passou". 

A Universidade Johns Hopkins divulgou na noite desta terça-feira que os Estados Unidos bateram um novo recorde de mortos nas últimas 24 horas: foram registrados 2.228 óbitos. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.