REUTERS/Naseem Zeitoon
REUTERS/Naseem Zeitoon

Após rompimento com sauditas, Catar retoma relações com o Irã

Apesar de ser um emirado sunita, o Catar tem desenvolvido uma diplomacia independente de Riad, marcada pela aproximação com os xiitas e o financiamento de grupos radicais na Síria e no Iêmen

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 12h35

 DOHA -Em mais um desdobramento da crise com seus vizinhos do Golfo, o governo do Catar anunciou nesta quinta-feira, 24, a retomada das relações diplomáticas com o Irã, principal rival regional da Arábia Saudita, meses depois de Riad impor um bloqueio comercial e aéreo ao emirado. 

No anúncio do envio de um novo embaixador a Teerã, a chancelaria catari não mencionou a crise com a Arábia Saudita e demais países da região, que há meses isolam Doha comercial e diplomaticamente. Desde o início da crise, o Irã tem se aproximado do pequeno país e o auxiliou com envio de alimentos e abertura do espaço aéreo para voos que saem de Doha para mitigar o bloqueio. 

Segundo a chancelaria catari, o desejo do país é ampliar a relação bilateral com o Irã, com quem o país divide importantes reservas de gás. Apesar de ser um emirado sunita, o Catar tem desenvolvido uma diplomacia independente de Riad, marcada pela aproximação com os xiitas e o financiamento de grupos radicais na Síria e no Iêmen.  "O desenvolvimento de relações com vizinhos é uma prioridade absoluta", comentou a diplomacia iraniana. 

Analistas veem a decisão como um sinal de que o Catar não pretende a médio prazo acatar as exigências do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), liderado pelos sauditas, que pressiona o emirado para se afastar de Teerã.  “Isso mostra que eles manterão a rota atual”, disse Kristian Ulrichsen, da Tice University. “Pode muito bem ser uma decisão pensada para mostrar que o Catar não se curvará à pressão.”

O governo americano disse que continua muito preocupado com a crise entre o Catar e seus vizinhos. A sede do comando militar dos Estados Unidos no Oriente Médio fica no país. “Isso já durou tempo demais”, disse a porta-voz do Departamento de EstadoHeather Nauert.

Desde junho, Estados Unidos, Kuwait, Turquia e outros países tentam intermediar uma solução para o impasse, sem sucesso, uma vez que nenhum dos lados aceitam ceder em suas exigências. As relações entre Irã e Catar estavam rompidas desde 2016, mas ambos países vinham se aproximando comercialmente. A Arábia Saudita não comentou a decisão. / AP 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.