AFP
AFP

Após sanções americanas, Ortega rejeita referendo sobre novas eleições

Em entrevista à emissora americana CNN, presidente da Nicarágua diz que 'não vê sentido' em adiantar pleito; Casa Branca revogou visto de oficiais do país e promete novas medidas

O Estado de S.Paulo

31 Julho 2018 | 04h25

WASHINGTON - O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, rejeitou a proposta de referendo para decidir o adiantamento das eleições presidenciais, previstas para 2020. A declaração foi dita durante entrevista à emissora americana CNN, transmitida nessa segunda-feira, 30, horas após o anúncio de novas sanções americanas.

"Não faz sentido eleições antecipadas", disse, sugerindo que a oposição não aceitaria um resultado no qual ele saísse vitorioso. A proposta foi considerada para dar fim aos confrontos entre forças do governo e manifestantes contrários a Ortega. 

Os conflitos já deixaram mais de 300 mortos desde abril - incluindo a estudante de medicina brasileira Raynéia Gabrielle Lima.

Ortega lida com a crescente condenação internacional devido ao uso de força policial contra manifestantes. Em sua última ação para pressionar o presidente, os Estados Unidos revogaram os vistos de diversos oficiais do governo nicaraguense.

Em nota, a Casa Branca afirmou que "condena a violência na Nicarágua e o abuso de direitos humanos cometidos pelo regime de Ortega em resposta aos protestos". O governo americano também retomou veículos doados à polícia nicaraguense e cortou doações de equipamentos que podem ser utilizados por forças policiais contra manifestantes.

A Casa Branca também afirmou que as medidas "são o começo, e não o fim, de potenciais sanções" contra o governo da Nicarágua.

Apesar das pressões e de rejeitar as propostas de novas eleições ou de renúncia, Ortega insiste que está aberto ao diálogo.

"Nós vamos ver como criar as condições para fortalecer as comissões de diálogo e isso nos ajudará a chegar a bons resultados", disse Ortega. "Nós estamos em contato com o Secretário Geral das Nações Unidas e com diferentes organizações internacionais, além do cardeal (Leopoldo) Brenes."

Os protestos contra Daniel Ortega começaram em abril após o presidente anunciar uma reforma previdenciária. As manifestações rapidamente mudaram e agora focam na renúncia do presidente, no poder desde 2007. //REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Nicarágua [América Central]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.