Após sinais de abertura, Hillary irá a Mianmar

O maior grupo de oposição de Mianmar, da ganhadora do Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, anunciou ontem que participará das próximas eleições, em um forte sinal de confiança nas reformas anunciadas pela ditadura do isolado país asiático. Após o anúncio, o presidente dos EUA, Barack Obama, informou que a secretária de Estado Hillary Clinton visitará Mianmar no próximo mês. Ela será a primeira autoridade americana a ir ao país em 50 anos.

RANGUM, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2011 | 03h07

A Liga Nacional pela Democracia "decidiu por unanimidade registrar-se como partido político (...) e disputará as próximas eleições", anunciou o grupo opositor em nota. "O que estamos fazendo envolve muitos riscos. Mas chegou a hora de assumir esses riscos, pois na política nunca há 100% de garantia de sucesso", disse Suu Kyi, que tentará ocupar uma das 48 cadeiras do Congresso em disputa nas próximas eleições - cuja data ainda não foi marcada.

O anúncio da visita de Hillary foi feito por Obama enquanto visitava a Indonésia. "Se a Birmânia (antigo nome de Mianmar) continuar a seguir a via das reformas democráticas, poderá estabelecer nova relação com os EUA", disse Obama. A União Europeia também saudou o sinal de mudança em Rangum e estuda suspender sanções. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.