AFP PHOTO / Juan Jose Horta
AFP PHOTO / Juan Jose Horta

Após sofrer AVC, principal líder das Farc continuará tratamento em Cuba

Desde 2015, Timochenko teve vários problemas de saúde; há oito meses, foi internado em Cuba para receber tratamento coronário

O Estado de S.Paulo

04 Julho 2017 | 18h50

BOGOTÁ - O principal líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko, recebeu nesta terça-feira, 4, alta do hospital no qual foi internado no domingo após sofrer um acidente vascular cerebral leve e viajará a Cuba para continuar recebendo tratamento médico.

"Londoño completou 56 horas de internação na nossa unidade, com franca melhoria, recuperando a força no seu braço esquerdo e sua fala em 90%", indicou em comunicado a Corporação Clínica Universidade Cooperativa de Villavicencio.

O Escritório do Alto Comissariado para a Paz na Colômbia informou no Twitter que autorizou o líder das Farc a viajar para Cuba e assumirá as despesas médicas e de segurança de Timochenko.

"Considerando a satisfatória evolução de Timochenko, decidimos que ele deveria receber alta para continuar a gestão ambulatória de reabilitação", indicou o boletim médico da clínica.

O próprio Timochenko escreveu no Twitter que está conseguindo levantar da cama e caminhar com ajuda, mas que se sente melhor. A mensagem foi acompanhada de uma foto na qual aparece sorrindo.

 

"Voltamos para continuar lutando pela paz e para que o acordo se cumpra. Agradeço a todos e a todas pelas boas vibrações", disse.

Desde 2015, Timochenko teve vários problemas de saúde. Há oito meses, foi internado em Cuba para receber tratamento coronário. As Farc, na época, consideraram um episódio como um "susto" que não teve grandes consequências.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e Timochenko lideraram na semana passada o ato final da entrega de armas das Farc, uma das etapas do acordo de paz negociado entre a guerrilha e o governo para encerrar um conflito de mais de 50 anos. / EFE

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.