Ahn Young-joon / AP
Ahn Young-joon / AP

Após suspeita de punição em campo de trabalho, funcionário norte-coreano aparece em evento

Kim Yong Chol foi visto ao lado dos principais dirigentes do país em uma apresentação artística; na semana passada, um jornal sul-coreano informou que ele havia sido punido pelo fracasso do encontro entre Trump e Kim

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2019 | 04h46
Atualizado 03 de junho de 2019 | 11h51

SEUL - Um alto funcionário da Coreia do Norte que teria sido alvo de um expurgo após o fracasso da reunião entre o presidente americano, Donald Trump, e Kim Jong-un, em Hanói, apareceu ao lado do líder norte-coreano durante uma apresentação artística, informou a imprensa estatal.

Kim Yong Chol, alto funcionário do partido que governa o país e cujo cargo corresponde ao do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, durante as discussões sobre as negociações nucleares, teria sido enviado a um campo de trabalho após o fracasso do encontro de fevereiro na capital vietnamita, informou na semana passada o jornal sul-coreano Chosun Ilbo.

Contudo, no domingo à noite, ele estava ao lado dos principais dirigentes do país - incluindo Kim e sua mulher, Ri Sol Ju, e outros líderes do partido - em um espetáculo oferecido por "grupos artísticos amadores de esposas" de oficiais militares, informou a agência oficial norte-coreana KCNA.

A Comissão de Inteligência do Parlamento sul-coreano indicou em abril que Kim Yong Chol havia sido afastado pela forma como administrou a reunião de Hanói, apesar de ter sido nomeado um pouco antes membro da Comissão de Assuntos Estatais, um dos principais organismos de governo, presidido por Kim Jong-un.

O nome de Kim Yong Chol estava na lista de espectadores do evento de domingo, segundo a KCNA. No entanto, o nome de Kim Hyok Chol não estava na lista. O enviado especial da Coreia do Norte para os Estados Unidos, também de acordo com o Chosun Ilbo, foi executado por um pelotão de fuzilamento por "trair o líder supremo" depois de ser "conquistado pelos EUA" durante as negociações prévias à reunião.

Kim Hyok Chol era a contraparte norte-coreana do representante especial dos Estados Unidos Stephen Biegun durante os preparativos para o encontro. Esta não é a primeira vez que algumas informações sul-coreanas sobre expurgos e execuções na Coreia do Norte se revelam equivocadas. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.