Canal de Suez/AFP
Canal de Suez/AFP

Após tentativas frustradas, cresce otimismo para desencalhar navio e desbloquear o Canal de Suez

Segundo a autoridade responsável pelo trecho, o porta-contêineres Ever Given se moveu 30 graus após os trabalhos de dragagem para libertar a embarcação

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 09h13

O otimismo das autoridades para desencalhar o porta-contêineres Ever Given do Canal de Suez e desbloquear uma das principais rotas comerciais do planeta cresceu neste domingo, 28. Em entrevista para a rede de televisão egípcia, o chefe do canal, o almirante Osama Rabie, disse que a embarcação de 400 metros e 220 mil toneladas "se moveu 30 graus para a direita e para a esquerda" após os trabalhos de dragagens realizados nos últimos dias. 

"É um bom indicador", disse Rabie, que neste sábado, preferiu não estipular prazos para que o navio do tamanho do Empire State seja libertado do canal que liga Europa e Ásia

Entretanto, Richard Meade, editor do jornal britânico especializado em indústria marítima Lloyd's List, escreveu em seu Twitter que fontes próximas à operação de salvamento teriam dito que o Ever Given pode ser libertado em até 48 horas. 

Os trabalhos para reflutuar o porta-contêineres, preso diagonalmente desde o dia 24 na hidrovia de 300 metros de extensão, seguem neste domingo. Uma esperada maré alta deve facilitar a tarefa das equipes técnicas de resgate, equipadas com poderosos rebocadores e dragas para sugar a areia de baixo da embarcação, cuja proa está presa na costa.

O engarrafamento causado pelo Ever Given no Canal de Suez impediu o tráfego no trecho que representa mais de 10% do comércio internacional marítimo. Segundo Rabie, mais de 300 navios estão presos em ambas as extremidades do canal que liga o Mar Vermelho ao Mar Mediterrâneo. Estimula-se que os atrasos nos envios e embarques de mercadoria cause um prejuízo diário de US $9,6 bilhões. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.