Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Após trégua, Israel retoma ataques em Gaza

Sarkozy diz que governo israelense aceitou em princípio plano de cessar-fogo.

Da BBC Brasil, BBC

07 de janeiro de 2009 | 13h15

Depois de uma pausa de três horas nesta quarta-feira, Israel retomou os ataques na Faixa de Gaza. Segundo testemunhas, os ataques foram reiniciados logo após as 12h (horário de Brasília).O governo israelense disse que haverá uma pausa diária nos ataques para permitir que a população de Gaza possa receber auxílio médico e suprimentos. Correspondentes afirmam que ainda não está claro se essa pausa diária cobrirá toda a Faixa de Gaza.Nesta quarta-feira, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse que Israel e a Autoridade Palestina aceitaram uma proposta elaborada por Egito e França de cessar-fogo na Faixa de Gaza.Israel disse que teria aceitado em princípio os termos do acordo, que ainda estava sendo negociado.Um membro do alto escalão do Hamas, que controla a Faixa de Gaza, disse à BBC que, apesar de "sinais positivos", ainda não houve um acordo em relação ao plano do cessar-fogo. A Autoridade Palestina é controlada pelo Fatah, grupo rival do Hamas.VítimasSegundo o Ministério da Saúde palestino, mais de 600 palestinos morreram desde o início da operação militar israelense, em 27 de dezembro. Entre as vítimas estão pelo menos 195 crianças, segundo fontes palestinas.O anúncio das pausas diárias de três horas nos bombardeios veio depois da decisão de Israel de aceitar a criação de um corredor para permitir o envio de suprimentos ao território palestino, onde vivem 1,5 milhão de palestinos. A decisão de permitir a criação de um corredor para levar ajuda aos habitantes da Faixa de Gaza foi anunciada pelo primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert. Segundo o governo, Israel vai abrir algumas áreas "por períodos limitados de tempo durante os quais a população vai poder receber ajuda". A intenção da proposta, segundo o gabinete de Olmert, é "evitar uma crise humana" na região.Pelo plano, Israel vai suspender ataques contra áreas específicas de Gaza para permitir que os habitantes possam receber e estocar produtos de primeira necessidade. Para John Ging, da agência de auxílio aos refugiados palestinos das Nações Unidas, a oferta israelense é um avanço na crise, mas a prioridade continua sendo o fim da violência na região. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.