Após tsunami, países vizinhos oferecem ajuda a desabrigados

Após um tsunami atingir a costa oeste das Ilhas Salomão, no Oceano Pacífico, nesta segunda-feira, 2 (hora local), centenas de civis ficaram desabrigados e se afastaram da costa. A Austrália e outros países vizinhos ofereceram ajuda aos locais mais atingidos. O governo australiano liberou US$ 1,6 milhões de dólares em ajuda emergencial e disse ainda que helicópteros já estavam nas ilhas Salomão para resgatar pessoas que ainda possam estar em perigo por conta do tsunami.Mais de 900 casas foram destruídas e por volta de 5 mil pessoas foram atingidas pelo tsunami que assolou as Ilhas Salomão, segundo autoridades do governo.A contagem de mortos deveria aumentar quando equipes de avaliação estiveram no local, disse a porta-voz Makaa Julian, do Escritório de Gerência Nacional de Desastres.Informações dizem que algumas vilas foram destruídas pelas ondas.Já na Austrália, praias da costa leste foram fechadas e salva-vidas retiraram os surfistas destemidos das águas da famosa Bondi Beach, em Sydney.O perigo passou rapidamente, mas funcionários rejeitaram acusações de que eles exageraram ao dizer que é melhor se sentir seguro do que ter algum tipo de arrependimento por conta de um possível acidente.Nas ilhas Salomão, cerca de 4 mil pessoas ficaram acampadas nesta segunda-feira em uma colina ao lado da cidade de Gizo, disse o permier da Província Oeste, Alex Lokopio.Segundo Lokopio, as águas se acalmaram mas a população está com medo de voltar para a costa. "Não houve aviso, apenas os tremores", disse o premier. "Ficamos assustados e, de repente, a água estava subindo.Em cinco minutos, uma parede de água de aproximadamente 4,8 metros se formou na costa, inundando casas, comércios, hospitais escolas e duas delegacias e afundando navios em Gizo, segundo testemunhas e policiais.Vilarejos mais simples como Simbo, Choiseul e Ranunga divulgaram mortes e destruição, segundo informações do governo.O tsunami aconteceu após um maremoto que chegou a 8 graus na escala Richter e matou ao menos 13 pessoas.Texto ampliado às 21h37.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.