Após tufão, Taiwan busca 600 soterrados

Exército informa que mais de 700 desaparecidos foram achados vivos

AP e Reuters, TAIPÉ, O Estadao de S.Paulo

12 de agosto de 2009 | 00h00

Cerca de 700 moradores de vilarejos remotos no sul de Taiwan, que se acreditava estarem soterrados, foram encontrados vivos na madrugada local de hoje, disse o general Hu Jui-chou, que trabalha nas operações de resgate. No entanto, ele destacou que ainda há centenas de desaparecidos por causa da passagem do tufão Morakot e teme-se que mais de 600 tenham sido soterradas no deslizamento de segunda-feira em Hsiao Lin, um vilarejo do Condado de Kaohsiung. Os 700 sobreviventes de quatro vilarejos - Hsiao Lin, Sanmin, Namahsia e Chinghe - conseguiram escapar antes que uma enxurrada de lama e pedras que desceu das montanhas soterrasse suas casas. Muitos ajudaram a socorrer vizinhos. Desses sobreviventes, 200 são de Hsiao Lin. O governo confirmou a morte de pelo menos 62 pessoas. O Morakot começou a castigar a Ásia no fim de semana e já deixou um rastro de mais de 90 mortos, além de milhões de dólares em prejuízos. Nas Filipinas, pelo menos 23 pessoas morreram e na China, 8. Funcionários do governo afirmaram à Associated Press que mais de 300 pessoas foram resgatadas ontem em mais de 120 viagens de helicópteros feitas pelas equipes de resgate. Lee Chin-long, um morador de 50 anos, disse que viu paredes de lama e pedras tomarem a maior parte do vilarejo. "Vi a montanha inteira simplesmente desabar. Quase todas as casas foram destruídas", afirmou Lee, que conseguiu fugir do deslizamento."Ouvimos um barulho ensurdecedor. O céu foi tomado por poeira, parecia uma erupção vulcânica. Água, lama e pedras cobriram toda a estrada", contou outra sobrevivente, identificada apenas como Chi, que escapou com seu marido e o filho"Não tenho notícias de meus parentes em Hsiao Lin desde sábado", afirmou uma mulher que se identificou apenas como Chen. Ela foi resgatada em um dos últimos voos do governo, antes de as buscas serem suspensas por causa do mau tempo. Outros 30 sobreviventes relataram o caos no vilarejo e confirmaram que mais de 600 pessoas não conseguiram escapar. SEM ÁGUATodos os sobreviventes estão sendo encaminhados a um colégio em Cishan, onde, segundo testemunhas, faltam água e eletricidade. Durante os resgates no sul de Taiwan, três pessoas teriam morrido na queda de um helicóptero que estava tentando entregar ajuda para os desabrigados em áreas de difícil acesso. E não foi apenas no sul que o tufão causou destruição. Chuvas torrenciais provocaram deslizamentos e inundações em todo o país. Após destruir vilarejos inteiros em Taiwan, o tufão perdeu força ao atingir a costa chinesa, de onde o governo retirou 1,5 milhão de pessoas e mais de 10 mil casas foram afetadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.