Zinyange Auntony/AFP
Zinyange Auntony/AFP

Após ultimato pela renúncia de Mugabe, Zanu-PF o ameaça com impeachment

Em um discurso televisionado no domingo à noite, o chefe de Estado mais velho do planeta, com 93 anos, novamente ignorou as ameaças e recusou-se a deixar o cargo

O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2017 | 12h03

HARARE - O Zanu-PF, partido do governo do Zimbábue, lançou um ultimato para a renúncia do presidente Robert Mugabe, que acabou na manhã de hoje, e avisou que dará início a um processo no Parlamento para removê-lo da presidência. Em um discurso televisionado no domingo à noite, o chefe de Estado mais velho do planeta, com 93 anos, novamente ignorou as ameaças e recusou-se - ao contrário das expectativas - a renunciar.

+Zimbabuanos festejam esperada queda de Mugabe

Rodeado por militares que controlam o país e o impelem a deixar a presidência, Mugabe prometeu que presidirá o próximo congresso do partido no poder, apesar de ter sido expulso de direção da formação. Além disso, insistiu que continuava a ser "comandante em chefe" do país.

Sua declaração caiu como uma bomba em um país que esperava que seu regime, abandonado por todos os aliados, caísse. "Estamos num mar de confusão", resumiu o analista Piers Pigou, do International Crisis Group (ICG).

"Estamos decepcionados com o discurso de Mugabe de ontem à noite. Parece que vive em outro planeta", disse Charles Muramba, um motorista de táxi de 46 anos. "Mas o movimento é irreversível, ele acabará caindo, seja em dias ou semanas."

+Mugabe resiste à pressão de militares para deixar governo do Zimbábue

No sábado, sob o olhar indulgente do exército, houve manifestações para exigir a renúncia do presidente.  "Que Mugabe se retire para livrar o país de mais problemas. Se não, vamos convocar o povo do Zimbábue para ocupar novamente as ruas", disse o influente líder dos veteranos de guerra, Chris Mutsvangwa, nesta segunda-feira à imprensa.

Nesta segunda, centenas de estudantes protestavam no campus da universidade da capital, Harare, onde as provas foram adiadas, constatou AFP. Na madrugada de quarta-feira, o exército interveio em Harare, em apoio a Emmerson Mnangagwa, o vice-presidente destituído por Mugabe uma semana antes. Mugabe foi colocado em prisão domiciliar, embora com a possibilidade de se locomover.

A destituição de Mnangagwa - chamado de "o crocodilo" por seu caráter implacável - fez da primeira-dama Grace Mugabe a favorita para a sucessão do marido, uma hipótese inaceitável para o Estado-Maior do Exército.

+Cronologia: o Zimbábue desde sua independência

Desde a intervenção militar, Robert Mugabe vem perdendo o apoio em que seu regime autoritário se baseou desde a independência do Zimbábue em 1980.

O partido no poder de Zanu-PF anunciou no domingo que Chris Mutsvangwa será seu candidato na eleição presidencial de 2018, advertindo que iria lançar um processo de destituição contra Mugabe caso ele não se demita.

De acordo com a Constituição do país, o impeachment deve ser votado por dois terços das duas casas. O Parlamento se reúne na terça-feira.  Desde sua intervenção, o exército tenta negociar de forma amigável a partida do presidente Mugabe e preservar sua aura de herói da guerra da independência.

+Mugabe: de herói nacional a déspota disposto a matar pelo poder

A crise política no país suscita grandes preocupação na região. Na terça-feira, os líderes dos países membros da Comunidade de Desenvolvimento Econômico da África Austral (SADC), incluindo o presidente sul-africano Jacob Zuma e o angolano Joao Lourenço, vão se reunir em Luanda para discutir a crise no Zimbábue./AFP

Mais conteúdo sobre:
Zimbábue [África] Robert Mugabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.