Após um ano, Costa Concordia ainda não foi retirado

Autoridades italianas dizem que será preciso mais tempo e dinheiro para remoção; acesso e ambiente marinho preocupam

AE e AP, Agência Estado

12 de janeiro de 2013 | 12h49

Autoridades italianas afirmaram que será preciso mais tempo e dinheiro para remover com segurança o navio de cruzeiro Costa Concordia da região da Toscana, na Itália, onde a embarcação se acidentou no ano passado.

Um ano após o acidente, fontes destacaram a dificuldade de remover o navio devido ao seu tamanho - ele pesa 112 toneladas - e à sua difícil posição sobre as rochas da ilha Giglio. Outra preocupação é a preservação do ambiente marinho no qual está o Costa Concordia.

A presidente do grupo de supervisão ambiental para o navio, Maria Sargentini, disse que ainda há algum risco de poluição quando ele for retirado, ainda que 2 mil toneladas de combustível já tenham sido removidas. O temor é de que esgoto e comida estragada possam vazar. Trinta e duas pessoas morreram no desastre. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.