Photo by Timothy A. CLARY / AFP
Photo by Timothy A. CLARY / AFP

Após divulgação de gravação, Trump chama ex-assessora de 'cachorra'

No Twitter, presidente americano eleva o tom das críticas a Omarosa Manigault Newman - que divulgou a gravação de uma conversa privada que teve com o republicano - e elogia seu chefe de gabinete, John Kelly, por ter demitido a funcionária

O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 14h19

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a atacar nesta terça-feira, 14, sua ex-assessora na Casa Branca Omarosa Manigault Newman em tom especialmente elevado, chamando-a de "cachorra" e "demente".

Na segunda-feira, Omarosa divulgou a gravação de uma conversa privada que teve com o presidente depois de ser demitida. Ela ficou conhecida como participante do reality show de Trump "O aprendiz" e depois conseguiu um trabalho com salário de US$ 180 mil ao ano na Casa Branca.

Trump já havia chamado Omarosa de "delinquente" depois que ela vazou uma gravação de sua demissão por parte do chefe de gabinete, John Kelly, aparentemente gravada na Sala de Crise (Situation Room) da Casa Branca.

Nesta terça, Trump intensificou a guerra verbal a um nível raramente visto, mesmo no caso de um presidente que não poupa insultos e ataques a seus críticos, rivais e até aliados. 

"Quando você dá um tempo a uma demente, delinquente chorona, e dá a ela um trabalho na Casa Branca, acho que isso simplesmente não funcionou. Bom trabalho do general Kelly por ter rapidamente demitido essa cachorra", tuitou Trump.

As gravações de Omarosa, de 44 anos, outrora forte aliada de Trump, representam uma assombrosa violação da confiança presidencial.

Na terça, ela explicou à CBS News o motivo pelo qual fez as gravações: "Sou o tipo de pessoa que se protege. No mundo de Trump, todo mundo mente".

"Todo mundo diz uma coisa um dia e muda sua história no dia seguinte. Queria ter este tipo de documentação... para o caso de me encontrar nesta posição na qual, como você disse, estão questionando minha credibilidade."

Polêmica

Um livro de sua autoria, Unhinged (Desequilibrado, em tradução livre) - que descreve seu tempo na Casa Branca -, chega às livrarias nesta terça.

A equipe da campanha de Trump à Casa Branca entrou com uma ação de arbitragem contra Omarosa alegando que a ex-assessora da Casa Branca quebrou um acordo de confidencialidade assinado em 2016 ao lançar um livro contando sua visão dos bastidores do governo Trump.

A ação, que a campanha diz ter sido aberta em Nova York, é uma resposta a uma série de entrevistas concedidas por Omarosa para promover sua publicação, que retrata Trump como intolerante e racista e questiona sua capacidade mental.

Ainda não está claro qual o objetivo da equipe de Trump com a ação na Associação Americana de Arbitragem. / AFP e WPOST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.