DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Após viagem ao Brasil, ex-procuradora venezuelana retorna à Colômbia

Luisa Ortega Díaz participou em Brasília de um encontro de procuradores do Mercosul, no qual fez graves acusações de corrupção contra o governo de Nicolás Maduro

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2017 | 08h16

BOGOTÁ - A ex-procuradora venezuelana Luisa Ortega Díaz, que fugiu do país alegando ser vítima de perseguição política, retornou na quinta-feira 24 a Bogotá depois de fazer graves acusações de corrupção contra o governo de Nicolás Maduro em Brasília

Ortega chegou em um voo comercial ao lado do marido, o deputado Germán Ferrer, segundo o serviço de imigração da Colômbia.

A ex-procuradora e chavista dissidente está sob proteção do governo colombiano, que ofereceu asilo após sua fuga da Venezuela, onde ela afirma que enfrenta perseguição das autoridades. Durante a estadia dela no Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, também ofereceu asilo.

Na quarta-feira, Ortega participou em Brasília de um encontro de procuradores do Mercosul. Ela afirmou que dispõe de provas que vinculam Maduro e altos funcionários do governo venezuelano ao escândalo de corrupção da empreiteira brasileira Odebrecht.

O novo procurador da Venezuela, Tarek William Saab, tentou minimizar a "validade" das declarações de Ortega, que foi destituída no dia 5 de agosto pela Assembleia Constituinte de plenos poderes que vigora na Venezuela.

A Justiça venezuelana a investiga por supostamente mentir no exercício de suas funções e acusa seu marido de liderar uma rede de corrupção no Ministério Público.

Ortega, uma chavista de 59 anos, se rebelou contra Maduro por decisões contra o Parlamento de maioria opositora, cujas funções foram assumidas pela Assembleia Constituinte. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.