Susan Walsh/AP
Susan Walsh/AP

Após vitória, Biden luta para satisfazer diferentes facções do Partido Democrata

Democratas se uniram para derrotar Trump, mas agora batalham com unhas e dentes por cargos na futura Casa Branca, criando desafio para o presidente eleito

Alexander Burns e Jonathan Martin, The New York Times

17 de dezembro de 2020 | 12h00

WASHINGTON —  Mesmo antes da posse, o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, já precisa lidar com divisões internas e com a impaciência de aliados democratas. Conforme o presidente Donald Trump e sua ofensiva legal perdem força, o foco do novo governo se volta para a definição de sua equipe, plataformas e para as disputas ao redor de ambas.

Restando menos de cinco semanas para a passagem de poder, Biden, seus aliados e conselheiros reconhecem a dureza da tarefa de converter a temporária união do Partido Democrata para derrotar Trump em um governo forte. 

A competição para cargos-chave já enfraqueceu alianças políticas importantes, irritando grupos minoritários, parlamentares mulheres e até mesmo alguns dos primeiros apoiadores da campanha do presidente eleito.

Até o momento, o democrata não deu sinais de que pretende abafar as vozes críticas ou impor uma mensagem unificada. Seu foco é a construção de uma equipe para fazer frente à covid-19 e, ao mesmo tempo, atender a diversos grupos de interesse, que vão da dívida estudantil à crise climática. 

A estratégia é similar à adotada durante a campanha: tratar a pandemia como assunto principal, tomando em paralelo pequenos passos para agradar facções partidárias e cercar-se de nomes experientes.

Mais duas nomeações foram anunciadas: a ex-governadora de Michigan, Jennifer Granholm, como secretária de Energia, e Pete Buttigieg, pré-candidato democrata à Presidência e ex-prefeito de South Bend, Indiana, nos Transportes. 

Se confirmado pelo Senado, o centrista Buttigieg será a primeira pessoa abertamente LGBT a compor um Gabinete e, com 38 anos, será o mais novo de uma equipe cuja idade média regula a do presidente eleto.

A deputada progressista Alexandria Ocasio-Cortez, de Nova York, disse esperar que Biden em breve anuncie quais serão os temas do seu governo para além das nomeações divulgadas semanalmente. 

Já Marc Morial, chefe da Liga Nacional Urbana, um dos primeiros grupos civis a se encontrarem com o presidente eleito após a confirmação da vitória democrata, crê que o desafio de Biden é significativo.

“É necessário que haja um claro entendimento de que não estamos em 2008, 1992 ou 1976”, afirmou. “Estamos sucedendo o presidente e o governo mais racistas e corrosivos da História recente.”

Demandas diferentes

Andrew Bates, porta-voz do governo de transição, disse que as nomeações feitas até agora tem “o necessário para superar este momento de crise sem precedentes”, ressaltando que muitas delas receberam grande apoio popular. 

Há, no entanto, ressalvas: alguns democratas de destaque no Congresso, como o líder da maioria na Câmara, Steny Hoyner, pedem que Biden não escolha mais deputados para além dos dois já nomeados para cargos na nova gestão. 

A maioria que o partido tem na Casa já é tão frágil que, mesmo com os nomes atuais, a presidente Nancy Pelosi deverá enfrentar uma dura votação para manter seu cargo.

Alguns parlamentares também reclamam que Biden não os consultou extensivamente sobre as nomeações, especialmente a de Lloyd Austin, indicado para a Defesa. Como Austin é um general recém-aposentado, precisará de um aval especial do Congresso.

Enquanto isso, grupos organizados ao redor de questões identitárias fazem lobby para que Biden garanta diversidade racial e de gênero em todos os níveis de seu governo. 

Na semana passada, parlamentares hispânicos pressionaram Kamala Harris, a futura vice-presidente, para que haja ao menos duas mulheres latinas em cargos proeminentes — compromisso que ela se recusou a assumir, segundo pessoas presentes na reunião.

De acordo com o deputado Vicente Gonzalez, do Texas, Harris teria se comprometido a trabalhar com o grupo regularmente, mas isto não foi suficiente. Na segunda, democratas latinos no Congresso fizeram novamente um apelo para que Biden ponha ao menos duas mulheres latinas em seu Gabinete. 

Em uma reunião por Zoom, ativistas também pressionaram um futuro conselheiro da Casa Branca, Cedric Richmond, a marcar uma reunião com o presidente eleito sobre o assunto.

Cabo de guerra

Em outra frente, grupos que advogam pelos direitos civis pressionam pela indicação de um secretário de Justiça negro e tentam barrar nomeações de figuras com históricos fracos no que fiz respeito à aplicação da Lei. 

Sindicatos conseguiram impedir ao menos um nome para compor o Gabinete: a governadora de Rhode Island, Gina Raimondo, não irá para a Saúde em razão de posicionamentos sobre mudanças de pensões.

Há também um cabo de guerra para cargos ambientais importantes, por mais que Biden já tenha escolhido Gina McCarthy, ex-diretora da Agência de Proteção Ambiental durante o governo de Barack Obama, para coordenar a política climática doméstica. 

A indicação de figuras proeminentes no último governo democrata, por sua vez, gera ira em aliados de campanha de Biden, que se sentem preteridos.

A escolha de Neera Tanden para o Escritório de Administração e Orçamento e de Xavier Becerra para o Departamento de Saúde e Serviços Sociais irritou republicanos, que os veem como demasiadamente partidários. 

Entre os democratas, há hesitação sobre o processo de confirmação de Tanden, e muitos acreditam que ela eventualmente irá para um cargo que não demande o aval do Senado. O governo, entretanto, continua a apoiá-la, em público e no privado’.

Silenciosamente, assessores de Biden vêm trabalhando para reparar as feridas, afirmando que mudanças no Gabinete acontecerão mais cedo do que todos esperam. Neste meio tempo, democratas afirmam, o presidente continua a receber apoio de um antigo elo unificador:

“O fato de Trump continuar a dizer que será um candidato no futuro pode ser uma bênção para Joe Biden”, disse o deputado Ro Khanna, um progressista da Califórnia. “Pode ser o que Joe Biden precisa para manter a coalizão democrata unida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.