ADEM ALTAN/AFP
ADEM ALTAN/AFP

Após vitória do partido, presidente turco diz que eleitores votaram pela estabilidade

Recep Tayyip Erdogan afirmou que seus adversários temem que a vitória do AKP leve a um maior autoritarismo e polarização no país

O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2015 | 16h11

ANCARA - O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, qualificou, nesta segunda-feira, 2, o retorno do seu partido, o Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP), ao controle único do governo como um voto pela estabilidade. Ele disse ainda que o mundo tem que respeitar o resultado da eleição, mas que seus adversários temem que a vitória leve a um maior autoritarismo e polarização no país.

Na eleição geral de domingo, o desempenho do AKP contrariou as pesquisas e até mesmo as expectativas de seus estrategistas. O partido consolidou o apoio da direita e recuperou a maioria parlamentar, que reforçará o controle do poder por Erdogan.

O resultado foi um triunfo pessoal para o líder, que apesar de estar constitucionalmente acima da política partidária, por ser chefe de Estado, foi o responsável por moldar o comitê executivo do AKP e seus candidatos parlamentares no período que antecedeu a votação.

O AKP conseguiu 317 dos 550 assentos no Parlamento, apenas 13 a menos que o necessário para a aprovação de um referendo nacional sobre mudanças constitucionais, nas quais Erdogan pretende criar um sistema presidencial no país, concedendo-lhe plenos poderes executivos.

"A vontade nacional se manifestou em 1 de novembro em favor da estabilidade", disse Erdogan em comentários a repórteres depois de rezar em uma mesquita em Istambul. "Vamos ser um só, seremos irmãos e todos seremos uma única Turquia.”

A votação ocorreu em um momento crítico para a Turquia no cenário mundial, já que os Estados Unidos dependem das bases aéreas turcas no combate ao Estado Islâmico na Síria, e a União Europeia está desesperada por ajuda do país para conter a crescente crise migratória. /REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaeleiçõesRecep Tayyip Erdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.