Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

Aposentadoria de juiz moderado abre porta para Trump deixar Suprema Corte mais conservadora

Apontado por Reagan em 1987, Anthony Kennedy teve voto decisivo em questões importantes, como aborto e casamento de pessoas do mesmo sexo

O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 16h19

WASHINGTON - Anthony Kennedy, juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos, anunciou sua aposentadoria nesta quarta-feira, 27. Agora, o presidente Donald Trump terá a chance de consolidar uma maioria conservadora na mais alta corte do país.

Kennedy, de 81 anos, emitiu um comunicado informando que vai deixar o cargo, depois de 30 anos no tribunal. Ele foi apontado pelo presidente Ronald Reagan, republicano, e participou de votações em questões importantes, como aborto, direitos civis para homossexuais, armamento, financiamento de campanha e direito ao voto.

+ Perguntas e respostas: o processo jurídico em casos de imigração ilegal

O juiz disse, no documento, que já informou a seus colegas e o presidente Trump sobre seus planos e sua aposentadoria entrará em vigor a partir de julho. Sem Kennedy, o tribunal ficará dividido entre quatro juízes liberais em questões comportamentais, nomeados por presidentes democratas, e quatro conservadores, nomeados por republicanos.

+ Justiça valida decreto de Trump que proíbe entrada de viajantes muçulmanos nos EUA

Independentemente de quem o substitua, a saída do juiz trará uma mudança grande para o tribunal, onde ele tem sido voto decisivo por mais de uma década. Em casos como aborto e direitos para homossexuais, Kennedy se aliou aos colegas liberais, bem como em questões envolvendo raça, pena de morte e os direitos das pessoas detidas sem acusação em Guantánamo.

Kennedy foi o autor de todas as principais decisões sobre direitos para gays na corte, incluindo a decisão de 2015, declarando que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é um direito constitucional em todo o território americano.

+ EUA suspendem temporariamente julgamentos de imigrantes ilegais por falta de espaço para abrigá-los

Ele também foi voto decisivo quando os conservadores alcançaram decisões importantes, como o resultado da eleição presidencial de 2000, em favor de George W. Bush, posse de armas e a limitação e regulamentação do financiamento de campanhas.

Não havia sinais de que Kennedy se preparava para aposentar. Ele já havia contratado quatro advogados de sua cota para cumprir o calendário do tribunal, que começa em outubro. Kennedy ainda planeja passar parte do verão dando aulas em uma escola de Direito na Áustria.

+ Justiça dos EUA ordena que famílias separadas na fronteira sejam reunidas em até 30 dias

Vários ex-advogados disseram que Kennedy prefere ser substituído por um republicano. O controle do Senado está em jogo nas eleições de novembro e, caso os democratas conquistem maioria, Trump terá dificuldades para apontar um juiz de sua escolha.

No entanto, parece haver poucos obstáculos para impedir a substituição do juiz antes que a corte se reúna, em outubro. Os republicanos mudaram as regras durante a confirmação de Neil Gorsuch, eliminando a principal tática de adiamento para confirmação de membros da Suprema Corte, conhecida como "filibuster", assim como a necessidade de 60 votos para derrotar uma indicação.

Os outros juízes mais velhos do tribunal são Ruth Ginsburg, de 85 anos, e Stephen Breyer, de 79. Ambos são nomeados democratas e não dão sinais de deixar o cargo durante a administração de Trump. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.