Charles Dharapak/AP
Charles Dharapak/AP

Aprovação de Obama é a maior em dois anos

Pesquisa mostra que 60% da população americana apoia governo do presidente

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / NOVA YORK

Dez dias após a bem-sucedida ação contra Osama bin Laden no Paquistão, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, atingiu seu maior índice de aprovação em dois anos. Pesquisa encomendada pela Associated Press também indica que a maioria dos entrevistados considera que o líder deve ser reeleito.

Outro levantamento, da Ipsos, posiciona Obama à frente de todos seus potenciais rivais republicanos na disputa pela presidência, apesar de a maior parte ainda criticar a forma como o presidente vem conduzindo a economia. Para analistas, a situação econômica deve ser decisiva na eleição de novembro de 2012.

Obama tem a aprovação de 60% dos entrevistados pela Associated Press. Em março, o índice era de 53%. O pior momento ocorreu depois da derrota do Partido Democrata nas eleições para o Congresso em novembro do ano passado, quando apenas 47% demonstraram apoio ao líder. A Ipsos coloca a popularidade de Obama ainda abaixo da metade da população.

Na área da segurança - campo em que o presidente era visto com ressalvas - a operação contra o terrorista saudita fez com que 73% dos americanos demonstrassem estar confiantes na forma como Obama enfrenta a ameaça terrorista. Para 53%, diz a Associated Press, o atual ocupante da Casa Branca merece ser reeleito no próximo ano.

O problema de Obama está na área econômica. Apenas um terço dos americanos aprova a forma como ele tem conduzido a economia do país. Este índice é o mais baixo do ano e sofreu especial influência do recente aumento no preço da gasolina. Além disso, a taxa de desemprego está em 9% e o processo de recuperação desde a crise de 2008, segundo analistas, continua tímido. "A economia será definitivamente o tema número 1" na disputa eleitoral, afirmou Julia Clark, responsável pela pesquisa.

Recorde. O levantamento da Associated Press, no entanto, apresenta dados um pouco mais animadores para Obama, com 52% dos entrevistados apoiando a política econômica de seu governo, número recorde para sua gestão na Casa Branca.

Segundo a Ipsos, 45% dos americanos dizem que Obama conseguirá ser reeleito. O presidente derrotaria dois dos principais candidatos do Partido Republicano. Ele venceria Mike Huckabee, ex-governador do Arkansas, por 51% a 38%. Mitt Romney, ex-governador de Massachusetts, perderia pelos mesmos números para o presidente.

Além dos dois republicanos, Newt Gingrich anunciou ontem sua pré-candidatura à presidência dos Estados Unidos. Ex-líder republicano no Congresso nos anos 90, comandando a oposição ao então presidente Bill Clinton, ele tinha caído em desgraça depois de ser pego traindo a mulher. Nos últimos anos, casado com a amante, passou a tentar mostrar um lado de historiador e acadêmico, atraindo apoio entre os mais conservadores.

"Anuncio minha candidatura para presidente dos Estados Unidos, pois podemos trazer de volta a esperança para a América", disse Gingrich em vídeo divulgado no YouTube. Hoje, há expectativa de que o republicano Mitch Daniels, governador de Indiana, anuncie a candidatura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.