Michael Reynolds/Efe
Michael Reynolds/Efe

Aprovação de Obama sobe para 53%

Segundo pesquisa, reprovação do trabalho do presidente dos EUA caiu sete pontos, chegando a 41%

Efe

20 de janeiro de 2011 | 05h03

WASHINGTON - A popularidade do presidente dos EUA, Barack Obama, ganhou oito pontos nas pesquisas das últimas semanas, marcadas pelo tiroteio que deixou uma deputada democrata ferida com gravidade, e chegou a 53%.

 

A taxa de desaprovação, por sua vez, registrou queda de sete pontos, saindo dos 48% de dezembro para 41% na última enquete realizada conjuntamente pelo Wall Street Journal e a rede NBC, publicada na quarta-feira, 19.

 

Além disso, entre os denominados politicamente independentes, o número de opiniões positivas sobre a gestão de Obama superou o de opiniões negativas pela primeira vez desde agosto de 2009.

 

A enquete, que ouviu mil adultos, foi realizada entre 13 e 17 de janeiro, dias depois do tiroteio que deixou seis mortos e 13 feridos no Arizona. Durante o ataque, uma bala atravessou o lado esquerdo do cérebro da deputada Gabrielle Giffords.

 

Pela pesquisa, 74% dos consultados aprovaram a conduta de Obama após a tragédia e destacaram o discurso em tom conciliador que o líder pronunciou em 12 de janeiro em honra às vítimas do tiroteio, no qual fez uma chamada à unidade e a uma nova era política "mais civilizada".

 

Entre as medidas tomadas por Obama desde dezembro está a revogação da lei "Don't Ask, Don't Tell", que desde 1993 proibia que homossexuais declarados servissem nas Forças Armadas.

No mesmo mês o Senado aprovou o tratado de desarmamento nuclear (Start) com a Rússia.

Os dados publicados pelo Departamento de Trabalho em 7 de janeiro indicando que a taxa de desemprego caiu de 9,8% para 9,4% também refletiram no resultado das novas pesquisas.

 

A aprovação de Obama entre os independentes subiu dos 35% registrados em dezembro para os 46% de agora; enquanto entre os democratas, seus colegas de partido, subiu de 76% para 86%. Já entre os republicanos, do partido de oposição, passou de 11% para 15%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.