Aprovada a Constituição afegã

A grande assembléia afegã (chamada LoyaJirga) aprovou hoje a nova Constituição do país, pondo fima semanas de desentendimentos entre os diferentes grupos étnicos religiosos e tribais. O líder da Loya Jirga, SibghatullahMujaddedi, anunciou o acordo aos 502 delegados reunidos numatenda gigante na capital afegã. "Nós estamos muito felizes porque todos os membros da LoyaJirga alcançaram um bem-sucedido acordo", disse Mujaddedi. Oimpasse sobre o status de línguas minoritárias - principal pontoconflitante -, foi resolvido com a definição do pashtun e o daricomo línguas oficiais do Estado. Os demais idiomas serãooficiais nas regiões em que predominarem. O texto diz que o Afeganistão é um Estado islâmico, mas nãofaz referência à sharia, a lei muçulmana aplicada pela milíciaTalebã. A Constituição reforçou o poder do Executivo central, comoqueria o presidente Hamid Karzai. Mas grupos rivais a Karzaiconseguiram impor ao Parlamento o poder de veto sobre asquestões mais importantes. O Parlamento terá duas instâncias: aCasa do Povo e a Casa dos Anciãos. O texto estabelece aigualdade entre homens e mulheres, medida que uma delegadadefiniu como "revolucionária". A eleição presidencial será emjunho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.