Aprovada reeleição sem limites para presidente cazaque

Decisão entra em vigor em 2012 e é exclusiva para o atual presidente Nazarbayev

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 14h25

O Parlamento do Cazaquistão aprovou nesta segunda-feira, 18, uma lei que permite exclusivamente ao atual presidente, Nursultan Nazarbayev, concorrer à reeleição de maneira indefinida. O dispositivo reduz o mandato de sete para cinco anos.A lei aprovada em sessão plenária das duas câmaras do Parlamento estabelece que a redução do mandato presidencial entrará em vigor a partir de 2012, quando expira o atual mandato de Nazarbayev, informou a agência de notícias russa Interfax.Nazarbayev, de 66 anos e no poder desde 1990, foi reeleito em 2005 para um novo mandato de sete anos, até 2012.Em maio, Nazarbayev propôs ao Parlamento uma reforma constitucional que os deputados aprovaram em um prazo recorde de três semanas.As emendas ampliam as atribuições do Poder Legislativo, que em contrapartida aprovou uma norma aplicável exclusivamente a Nazarbayev, para permitir que ele concorra à reeleição quantas vezes quiser.Com 10% de crescimento econômico e 24 bilhões de barris de petróleo em reserva, o Cazaquistão é o maior país da Ásia Central, na mira de influência da Rússia, dos Estados Unidos e da China.Durante a visita de Nazarbayev à Casa Branca, em setembro, o presidente americano, George W. Bush, reiterou o interesse de seu país em investir no setor energético cazaque e evitou tocar no tema dos direitos humanos.A Rússia também dá tratamento preferencial a este vizinho, com a política de estreitar relações com os países desta região, enfraquecidas depois da dissolução da URSS em 1991.A cooperação energética entre Cazaquistão e China também é satisfatória a julgar pelo andamento da construção de um oleoduto que conectará as gigantescas reservas de petróleo e gás cazaques do Mar Cáspio ao colosso energético chinês.Quando for concluído, o oleoduto terá 3.000 quilômetros de comprimento e suprirá 5% da demanda petrolífera chinesa, segundo o departamento de energia americano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.