Apuração indica disputa apertada em Timor

O partido que liderou o Timor Leste à independência ficará com a maior parte das cadeiras da assembléia constituinte, mas com uma maioria menor do que a esperada por seus líderes, de acordo com resultados parciais das eleições divulgados hoje. O anúncio foi uma surpresa para muitos observadores, que previam uma vitória esmagadora da Frente Revolucionária para a Independência do Timor Leste (Fretilin). Segundo o responsável da ONU pelas eleições, Carlos Velenzuela, a Fretilin venceu em três dos 13 distritos eleitorais de Timor Leste: Aileu, Covlima e Lautem. No entanto, em nível nacional, a Fretilin teve a maioria dos votos em Covlima, mas em Aileu foi vencida pela Associação dos Social-Democratas de Timor (ASDT). Os votos em nível nacional de Lautem ainda não foram contados.Na semana passada, a líder da Fretilin, Mari Alkariri, afirmou que seu partido esperava tomar o controle de 85% dos assentos da assembléia, formada por 88 legisladores. As eleições para o parlamento, que escreverá a Constituição de Timor Leste, realizadas na quinta-feira passada, são consideradas cruciais no processo de preparação do território para a independência total. É esperado que a assembléia adote um sistema de governo presidencialista, com a realização de possíveis eleições para o novo chefe de Estado em abril do próximo ano. Xanana Gusmão, um carismático ex-líder guerrilheiro separatista, é considerado o candidato mais forte ao futuro cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.