Juan Carlos Torrejón/EFE
Juan Carlos Torrejón/EFE

Apuração na Bolívia dá vitória a Evo no 1º turno, mas OEA quer auditoria

Ministros bolivianos dizem que não houve fraude e rejeitam esperar resultado de análise da apuração

Beatriz Bulla, correspondente, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2019 | 21h52

WASHINGTON - O presidente Evo Morales venceu as eleições bolivianas no primeiro turno, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com 99,97% dos votos apurados, Evo tinha 47,07% e o opositor Carlos Mesa, 36,51%. Em reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA) nesta quinta-feira, 24, em Washington, o ministro da Justiça da Bolívia, Hector Arce Zaconeta, lembrou que a Constituição prevê um vencedor se ele tiver votação acima dos 40% e 10 pontos porcentuais a mais que o segundo colocado.

Para Entender

Evo Morales, uma raposa política com dificuldades para se manter no poder

Presidente latino-americano há mais tempo no cargo busca quarto mandato em uma eleição difícil

“As regras foram cumpridas e vamos levar adiante o resultado”, afirmou Zaconeta. “Na Bolívia, não existe a possibilidade de fraude ou manipulação.” Zaconeta e o chanceler boliviano, Diego Pary, reiteraram o convite para que a OEA realize uma auditoria da eleição, mas disseram que a Bolívia não esperaria a conclusão da análise para anunciar o resultado.

Um dia antes, a missão de observadores da OEA informou ao Conselho Permanente que vários princípios que regem uma eleição democrática foram violados e, diante da margem apertada indicada pelas urnas, a melhor opção seria realizar um segundo turno.

A apuração caótica da eleição presidencial boliviana, com interrupção temporária e atrasos na divulgação dos resultados preliminares, provocou suspeitas de fraude e manifestações violentas nas principais cidades da Bolívia. Evo afirmou que há uma tentativa de “golpe de Estado para prejudicar o país”. 

As críticas da oposição tiveram como base o primeiro resultado da contagem rápida, que indicava um segundo turno entre Evo e Mesa. A confusão começou quando o TSE interrompeu a contagem dos votos sem explicação. Após 24 horas, a apuração foi retomada e Evo aparecia à frente com a vantagem necessária para encerrar a disputa no primeiro turno. 

O secretário-geral da OEA, Luís Almagro, cobrou que o governo boliviano aguarde o resultado da auditoria para anunciar o vencedor da eleição e voltou a afirmar que a missão de observadores vislumbra a realização de segundo turno como a “saída mais democrática”. 

Para Entender

Carlos Mesa, um velho conhecido da política boliviana

Historiador e jornalista de 66 anos era um ‘outsider’ no cenário político, mas se viu no olho do furacão em momentos determinantes da história do país

Em um “chamado para evitar o confronto”, Almagro disse que a Bolívia não deveria considerar os resultados apurados como legítimos até que se encerre a análise que será feita pela organização.

Como resposta, os ministros de Evo repetiram que o resultado do TSE será o proclamado. “Não está em jogo a aplicação do texto constitucional, que estabelece o procedimento para realização de segundo turno. Isso não pode estar em discussão”, afirmou o ministro da Justiça. 

O chanceler boliviano, Diego Pary, disse o sistema “garante a transparência”. “Não temos nada a esconder. Colocamos à disposição de quem quiser verificar a contagem oficial de votos”, afirmou o chanceler. Os representantes do governo boliviano afirmaram ainda que as acusações de que houve fraude na eleição são “inconcebíveis” e que não há “uma só prova” de como seria o mecanismo de fraude.

Horas antes da OEA se reunir em Washington, Evo anunciou no Twitter que defenderia “o resultado da eleição”. “Se o resultado diz que há segundo turno, iremos. Se a apuração diz que não há segundo turno, também vamos respeitar”, escreveu. 

Pela manhã, antes do fim da apuração de resultados, Evo Morales anunciou que havia vencido as eleições gerais no primeiro turno.

Nesta quinta-feira, Brasil, Argentina, Colômbia e EUA propuseram a realização de um segundo turno, caso a OEA não consiga verificar os resultados do primeiro turno. O governo americano ameaçou a Bolívia com “sérias consequências” se houver irregularidades nas eleições. “Se não respeitarem o resultado das urnas, haverá sérias consequências em suas relações com a região”, disse o subsecretário de Estado para a América Latina, Michael Kozak. 

Durante a sessão desta quinta-feira, o embaixador do Brasil na OEA, Fernando Simas, afirmou que a avaliação do País se mantém “invariável”. “ Permanecem preocupações e incertezas com a integridade do processo eleitoral. Nesse contexto, a credibilidade da autoridade eleitoral boliviana foi fortemente abalada”, afirmou Simas, que criticou o que chamou de “insinuações” de que a OEA esteja realizando uma interferência indevida no processo eleitoral boliviano.

O Brasil também se declarou a favor de que a Bolívia espere a auditoria realizada para anunciar o resultado da eleição. “Parece-nos essencial que todos os atores do processo político-eleitoral assumam publicamente o compromisso de que reconhecerão os resultados da auditoria da OEA, como medida para diminuir as controvérsias. Antes disso, revela-se incongruente pretender validar ou proclamar resultados definitivos”, afirmou Simas.

Ao lado de Estados Unidos, Canadá e Venezuela – representada na OEA por diplomatas de Juan Guaidó, que faz oposição a Nicolás Maduro – o Brasil tem assumido protagonismo nas discussões sobre o processo eleitoral na Bolívia. Foram as delegações dos quatro países que convocaram a sessão do Conselho Permanente da organização, na última quarta-feira, para discutir a situação da Bolívia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.