Alfredo Estrella/AE/AFP
Alfredo Estrella/AE/AFP

Apuração no México indica que coalizão de López Obrador perderá maioria qualificada no Congresso

Primeiros resultados das eleições de meio de mandato sugerem que coalizão do presidente não manteria a supermaioria necessária para levar adiante sua ambiciosa agenda

Anatoly Kurmanaev e Oscar Lopez / The New York Times, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2021 | 15h55

CIDADE DO MÉXICO - A coalizão governista de esquerda do México estava a caminho de perder sua maioria absoluta no Congresso após as eleições de meio de mandato no domingo, 6, colocando obstáculos nos ambiciosos planos do presidente Andrés Manuel López Obrador de reformar a economia e a sociedade do país.

Esperava-se que o partido governista Morena ocupasse entre 190 e 202 cadeiras na Câmara dos Deputados do Congresso do México, um declínio de até 60 legisladores, segundo resultados preliminares divulgados nesta segunda-feira, 7, pelo conselho eleitoral do país.

Embora o Morena, junto com os aliados, ainda seja a força dominante na legislatura de 500 assentos, espera-se que a coalizão fique bem aquém da maioria de dois terços necessária para mudar a Constituição e pressionar pela agenda de reformas de López Obrador.

“É uma derrota poderosa”, disse Carlos Bravo Regidor, analista político e professor do Centro de Pesquisa e Ensino Econômico da Cidade do México.

Em particular, os resultados tornarão mais difícil para López Obrador levar adiante seu plano principal para devolver o setor de energia do México ao controle estatal. Apesar da popularidade duradoura do presidente, especialmente entre os pobres, os resultados parecem mostrar os limites de seu mandato popular para mudar a nação sob um programa ousado de reformas que ele chamou de Quarta Transformação do México.

Em uma fresta de esperança para o governo, a coalizão de López Obrador deveria obter ganhos nas centenas de cargos eleitorais estaduais e locais também contestados nas urnas, aprofundando o alcance nacional do Morena e consolidando o domínio de um partido que foi fundado há menos de dez anos.

O peso mexicano subiu quase 1% no início das negociações desta segunda-feira, um dos melhores desempenhos entre as moedas dos mercados emergentes, sugerindo que o setor empresarial estava reagindo positivamente a novos controles sobre o poder de López Obrador.

Os principais partidos da oposição tiveram um desempenho melhor do que o esperado nas urnas, depois de decidir deixar de lado as principais diferenças ideológicas e confrontar López Obrador em uma coalizão. O Partido Ação Nacional, pró-empresariado, será a maior força de oposição no Congresso, com 106 a 117 cadeiras. Um candidato pró-negócios também liderou os resultados preliminares na disputa para governador do Estado de Nuevo León, a potência econômica do México.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.