Árabes acompanham de perto drama de Sharon

Dois canais de tevê árabes anunciaram prematuramente que o primeiro-ministro Ariel Sharon havia morrido, em meio a uma acirrada competição na mídia árabe para noticiar o estado do líder israelense. A Future Television, do Líbano, e a Al-Arabiya, baseada em Dubai, foram obrigadas a admitir o erro antes de divulgar o último boletim médico do Hadassah Hospital, de Jerusalém, sobre a saúde de Sharon.Um político e general odiado no mundo árabe, o drama de Sharon recebeu ampla cobertura nos jornais e tevês da região. Enquanto alguns comentaristas criticavam suas políticas belicistas, outros elogiavam o homem que pôs fim à ocupação israelense da Faixa de Gaza. Mas todos eram unânimes: a aparente saída de cena do primeiro-ministro terá um grande impacto em Israel, que tem eleições gerais marcadas para 28 de março, e nos territórios palestinos, onde devem ocorrer em 25 de janeiro eleições parlamentares.O proeminente negociador palestino Saeb Erekat disse à rede de televisão Al-Arabiya que a crise de saúde de Sharon colocara dúvidas sobre as eleições palestinas. "Utilizarão a saúde de Sharon para impedir as eleições?" questionou ele. "Há muitas perguntas que não podemos responder neste momento." Mohammed Nazzal, membro do braço político do Hamas em Beirute, manifestou-se contra o adiamento das eleições palestinas e disse acreditar que os israelenses usarão a doença de Sharon como "uma desculpa para justificar o adiamento das eleições. Isto é algo que rejeitamos." "A ausência de Sharon remove do cenário político um assassino profissional que planejou a morte de palestinos e dirigiu os ataques mais violentos, sangrentos e brutais (contra os árabes) na história da luta árabe-israelense", disse Nazzal. "O povo palestino pode apenas esperar que o que estiver para vir seja melhor, não pior."Enquanto alguns linha-dura árabes e palestinos regozijaram-se com a doença de Sharon - um deles considerou um presente de Deus - a imprensa árabe foi contida, com a Al-Arabiya e a Al-Jazira, canais pan-árabes por satélite, transmitindo extensa cobertura. A transmissão pela televisão dedicou tempo considerável para o assessor de Sharon, Raanan Gissin, enquanto ele explicava a situação dentro de Israel. Já o jornal libanês As-Safir trouxe a manchete: "Sharon está à beira da morte... e Israel, à beira de um turbilhão político". O analista político jordaniano Labib Kamhawi disse: "Se Deus quer uma solução pacífica para o conflito israelense-palestino, então Sharon não vai morrer".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.