Árabes afirmam que ataques no Iêmen devem continuar até retirada de rebeldes

Líderes árabes afirmaram que os ataques aéreos no Iêmen irão continuar até que os rebeldes xiitas "se retirem e entreguem suas armas". Uma coalizão de dez países, liderada pela Arábia Saudita, começou a bombardear algumas regiões no Iêmen esta semana, após um golpe de Estado promovido por rebeldes xiitas conhecidos como houthis, que seriam apoiados pelo Irã.

Estadão Conteúdo

29 de março de 2015 | 08h18

A informação é de um comunicado divulgado neste domingo, o segundo dia da cúpula árabe realizada no resort de Sharm El-Sheikh, na costa do Mar Vermelho. O principal tema das reuniões tem sido a crise no Iêmen, com a continuidade dos ataques aéreos contra posições de rebeldes e seus aliados.

O comunicado também pede colaboração militar e de inteligência entre os países árabes, além de esforços internacionais para combater os grupos militantes islâmicos. Os líderes também pediram que o Ocidente adote uma abordagem mais abrangente, uma referência velada ao desejo do Egito e de outros países de uma intervenção militar na Líbia, onde um grupo do Estado Islâmico e outros extremistas atuam. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IêmenhouthisLiga Árabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.