Árabes expressam alegria e tristeza com prisão de Saddam

Muitos no mundo árabe reagiram inicialmente com incredulidade às notícias da captura do líder iraquiano Saddam Hussein. Depois, quando a detenção foiconfirmada, as emoções variaram de alegria e pedidos de revanchecontra o tirano, à tristeza de que um líder árabe - mesmo Saddam- tivesse um fim tão vergonhoso."Impossível! Não acredito", afirmou Rami Makhoul, que trabalhanuma joalheria na capital síria, Damasco. Num mercado de rua noCairo, fregueses gritavam uns para os outros. "Eles estãofalando que o capturaram, você acredita?" Na capital da Jordânia, Amã, o xeque Abu Khaled, de 77 anos, viu as imagens na TV de um Saddam barbado, aparentemente confuso, e declarou: "Este homem não é Saddam. Ele iria preferir se explodir".Poucos governos árabes reagiram imediatamente, talvezesperando julgar o sentimento de um povo árabe que é maisamigável a Saddam do que seus líderes. O secretário-geralda Liga Árabe, Amr Moussa, referiu-se à prisão como um "grandeevento", mas disse que a captura de Saddam era apenas umaquestão de tempo uma vez que seu regime caiu. Em Washington, o embaixador saudita nos Estados Unidos, príncipe Bandar bin Sultan, afirmou: "A captura de Saddam Hussein porá fim a um infame capítulo da história do Iraque e daregião".Nos Emirados Árabes Unidos, uma autoridade do governo,exigindo anonimato, disse que líderes árabes haviam exortadoSaddam a renunciar pouco antes da guerra em março a fim deevitar a cena que foi transmitida hoje pela TV - um líderárabe aparentemente confuso sendo examinado e checado pormédicos militares dos EUA.Alguns canais árabes não transmitiram o anúncio da prisão deSaddam feito pelo administrador americano do Iraque, PaulBremer. Mas os maiores, como a Al-Jazira, baseada no Catar, e aAl-Arabiya, no Dubai, mostraram tanto Bremer quanto iraquianoscelebrando em Bagdá. O chefe do escritório da Al-Jazira em Washington, Hafez al-Mirazi, questionou o direito que os americanos têm de mostrarSaddam como um prisioneiro de guerra na TV, já que os EstadosUnidos criticaram duramente a transmissão de imagens deprisioneiros americanos durante a guerra.Covarde - Quando a notícia foi confirmada, muitos no mundo árabeexpressaram satisfação que Saddam nunca mais voltará ao poder noIraque, enquanto outros estavam desapontados por Saddam ter seentregue aos americanos ao invés de lutar até a morte. "Não pode haver dia mais feliz do que este", avaliou o funcionário público Abdullah al-Shimmiri no Kuwait, país invadido e ocupado pelo Iraque na década de 90. "Esperamos que o coloquem numa jaula e passeiem com ele por todo o mundo. Deus o humilhou naquele buraco em que o encontraram, da mesma forma que ele humilhou outros", disse, acrescentando que o irmão dele desapareceu durantea ocupação iraquiana e nunca mais foi encontrado.Nos territórios palestinos, onde Saddam era reverenciado comoum herói por ter disparado mísseis contra Israel durante aGuerra do Golfo, de 1991, os sentimentos eram mistos. "Saddam é um ditador e o povo iraquiano sofreu com ele, mas por outro lado, foi a ocupação americana que o capturou", explicou Mohammed Horani, um parlamentar palestino, na Faixa de Gaza. Num salão de bilhar na Cidade de Gaza, vários jogadores evitavam olhar as notícias na TV da prisão de Saddam. "Eu oamava demais, não posso vê-lo sob custódia", afirmou RaafatLogman, 22 anos.Na capital iemenita, Sanaa, Mohammed Abdel Qader Mohammadi, umprofessor de 50 anos, disse ter ficado surpreso que Saddam nãotenha resistido à prisão. "Esperava que ele fosse resistir ou se suicidar antes de cair nas mãos dos americanos", afirmou. "Ele desapontou muitos de nós, ele é um covarde".Makhoul, o empregado da joalheria em Damasco, ficou triste porSaddam ter de encontrar seu destino nas mãos dos americanos, que"não se importam com o povo iraquiano". Samer Saado, um florista em Damasco, disse que estava profundamente triste pelo Iraque e por todo o mundo árabe. "O que os americanos estão fazendo no Iraque e em todos os lugares é humilhação. Quem garante que não somos os próximos da lista?" questionou.» veja a galeria de imagens

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.