Árabes hesitam em fornecer armas pesadas a rebeldes

O envio de equipamentos militares dos governos de Arábia Saudita e Catar aos rebeldes sírios que combatem o regime de Bashar Assad entrou em compasso de espera após 18 meses de combates. Riad e Doha já forneceram armamentos leves - como fuzis AK-47 - aos combatentes, mas são cautelosos quanto a armas mais pesadas, como foguetes que permitiriam derrubar os aviões de Damasco. Autoridades das duas nações árabes temem que armamentos mais sofisticados possam facilmente ser transferidos para terroristas. O fornecimento de um poder de fogo mais robusto "precisa acontecer", de acordo com Khalid al-Attiyah, ministro de Relações Exteriores do Catar. "Mas, primeiro, precisamos conseguir o apoio dos Estados Unidos e, de preferência, da ONU", afirmou. Em Riad, autoridades dizem que Washington não vetou explicitamente o envio de armas pesadas, mas "alertou para os riscos" de que caíssem em mãos erradas. Ontem, os rebeldes explodiram um carro-bomba perto da sede da polícia em Damasco. Com as armas que recebem, eles dificilmente terão condições de alcançar uma vitória efetiva contra Assad. / NYT

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.