Arábia abandona mediação da crise política libanesa

A diplomacia norte-americana sofreu mais um revés no Oriente Médio hoje, quando a Arábia Saudita, aliada dos Estados Unidos, abandonou os esforços para mediar a crise política no Líbano, onde o grupo xiita Hezbollah e seus aliados cristãos derrubaram o governo pró-ocidental na semana passada.

AE, Agência Estado

19 de janeiro de 2011 | 16h40

A retirada da poderosa casa real saudita é o mais recente sinal de que a competição por influência no Líbano está pendendo a favor do Hezbollah e dos aliados do grupo xiita, o Irã e a Síria. Em entrevista concedida hoje à emissora estatal de televisão Al-Arabiya, o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Saud al-Faisal, afirmou que o rei Abdullah decidiu que está "retirando sua mão" após meses de esforços diplomáticos que fracassaram em acalmar as tensões. Ele não entrou em detalhes.

A atual crise política libanesa está em grande parte ligada ao trabalho do Tribunal Especial para o Líbano, que investiga há vários anos o assassinato do ex-primeiro-ministro Rafic Hariri, morto em Beirute, em 2005. Hariri, com dupla nacionalidade libanesa e árabe, tinha laços muito próximos à casa real de Saud. Espera-se que o Tribunal para o Líbano acuse integrantes do grupo xiita Hezbollah. Historicamente, a Arábia apoia os muçulmanos sunitas do Líbano.

A coalizão 14 de março, apoiada pelos EUA e pela Arábia, emitiu hoje um comunicado, no qual afirma que o Hezbollah e seus aliados tentam transformar o Líbano em uma "base iraniana" na região.

Também hoje, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou que o Líbano precisa evitar que "mãos maldosas" interfiram nos assuntos internos do país, numa clara referência aos EUA e seus aliados ocidentais. "Tirem suas mãos do Líbano", disse Ahmadinejad. "Se vocês não pararem, o Líbano e outros países da região cortarão fora suas mãos sujas", afirmou ele. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.