Arábia Saudita ameaça desenvolver as próprias armas nucleares caso Irã também o faça

O ministro das Relações Exteriores saudita, Adel al-Jubeir, diz que se Teerã "adquirir capacidade nuclear, faremos o possível para fazer o mesmo"

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 17h38

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira, 9, o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, afirmou que seu país pretende desenolver as próprias armas nucleares caso o  Irã também o faça.

+Petróleo fecha no maior nível em três anos e meio com decisão de Trump

Questionado sobre a possiblidade de o governo de Riad desenvolver seu armamento nuclear, levando em consideração a saída dos Estados Unidos do acordo firmado com o Irã em 2015, al-Jubeir foi enfático: "Se o Irã adquirir capacidade nuclear, faremos o possível para fazer o mesmo".

Os sauditas já se posicionaram neste sentido em outros momentos, até mesmo por meio do príncipe Mohammed bin Salman. "A Arábia Saudita não tem pretensão de adquirir nenhuma bomba nuclear, mas, sem dúvidas, se o Irã desenvolver uma bomba nuclear, vamos segui-los o mais rápido possível", disse à rede de televisão CBS em março.

Juntamente com Israel, a Arábia Saudita foi um dos poucos países que apoiou a decisão de Donald Trump, anunciada na última terça, de deixar o acordo nuclear. Riad nunca escondeu suas reservas sobre o pacto, que respaldava seu principal rival político e religioso no Oriente Médio.

+ 'Europa vai ter de decidir se abaixa a cabeça para Trump'

Ataques

Nesta quarta-feira a Arábia Saudita foi alvo de novos ataques com mísseis balísticos disparados pelos rebeldes houthis do Iêmen, apoiados pelo Irã.

"Estes mísseis são de fabricação iraniana e foram entregues aos houthis. Um comportamento assim é inaceitável. Pisa nas resoluções das Nações Unidas sobre os mísseis balísticos. E os iranianos devem ser responsabilizados por isso", disse Jubeir à CNN.

"Tentamos evitar ao máximo uma ação militar direta contra o Irã, mas Teerã continua se comportando assim. Isso representa uma declaração de guerra", acrescentou o ministro. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.