Arábia Saudita controlará doações para grupos islâmicos

A Arábia Saudita anunciou que exercerá maior controle sobre as doações a associações islâmicas no exterior, em especial às do Sudeste Asiático, para evitar que esses fundos acabem em mãos de organizações armadas islâmicas. O anúncio foi feito logo após fontes diplomáticas ocidentais em Riad informarem que outros quatro homens foram detidos no âmbito das investigações sobre o triplo atentado de 12 de maio na capital saudita, em que morreram 34 pessoas, entre eles 9 suicidas e 8 americanos. Os quatro detidos, disseram as fontes, são acusados de pertencer à rede Al-Qaeda, fundada pelo milionário saudita Osama bin Laden, embora não existam provas que os vinculem diretamente aos atentados. Outras quatro pessoas haviam sido detidas na segunda-feira. As novas medidas sobre as transferências de dinheiro do reino para o exterior foram anunciadas pelo chanceler, príncipe Saud Al Faiçal, ao término de uma reunião com seu colega australiano, Alexander Downer. De agora em diante, disse Faiçal, todas as doações dirigidas a organizações islâmicas no estrangeiro deverão passar pelo controle de uma agência contábil suíça. Foram congeladas, por tempo indeterminado, as doações destinadas a grupos islâmicos na Indonésia, onde se teme que esses fundos sirvam "para financiar o terrorismo", afirmou o chanceler saudita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.