Arábia Saudita corta relações com Afeganistão

A Arábia Saudita cortou todas as relações diplomáticas com o Afeganistão e com a milícia islâmica Taleban, que governa aquele país. Os sauditas disseram que os afegãos difamam o Islã por apoiarem e esconderem terroristas.Com isso, o Paquistão é agora o único país no mundo a manter relações diplomáticas com o governo do Taleban e deixa o Afeganistão praticamente isolado na esfera internacional.A medida representa um importante passo para os Estados Unidos em seus esforços de pressionar e isolar internacionalmente o Taleban, que se recusou a entregar Bin Laden.O Afeganistão apóia e esconde o terrorista saudita Osama bin Laden, apontado pelos Estados Unidos como o mentor dos atentados ao World Trade Center e ao Pentágono, realizados há duas semanas. DifamaçãoEm uma declaração transmitida pala agência oficial de notícias da Arábia Saudita, o governo diz que o Taleban "continua a usar sua terra para abrigar, armar e encorajar esses criminosos a praticarem ataques terroristas que assustam os inocentes e espalham horror e destruição no mundo".De acordo com a declaração, os ataques "difamam a reputação do Islã e dos muçulmanos no mundo". Apesar de ter encerrado as relações com o governo afegão, a Arábia Saudita disse que vai continuar a apoiar a população daquele país. Os sauditas vão apoiar "qualquer medida necessária para alcançar a segurança, estabilidade e prosperidade para o povo muçulmano".O Paquistão já retirou seus diplomatas de Cabul, capital do Afeganistão, mas mantém relações com o país. Segundo o governo paquistanês, a embaixada afegã é a "janela" do Taleban para o mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.