AFP PHOTO / Saudi Royal Palace / BANDAR AL-JALOUD
AFP PHOTO / Saudi Royal Palace / BANDAR AL-JALOUD

Arábia Saudita expulsa embaixador e suspende acordos com Canadá

Medidas anunciadas pelo príncipe Mohammed bin Salman são retaliações a críticas de autoridades canadenses sobre prisões de ativistas de direitos das mulheres no país

O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 04h40

RIADE - O governo da Arábia Saudita expulsou nesta segunda-feira, 7, o embaixador do Canadá no país em uma retaliação às críticas feitas por autoridades canadenses sobre prisões de ativistas dos direitos das mulheres. A monarquia saudita também suspendeu acordos comerciais e investimentos e cortou programas de intercâmbio com o país ocidental.

A escalada entre as duas nações começou na quinta-feira, 2, quando a ministra de Assuntos Extrangeiros do Canadá, Chrystia Freeland, disse estar "muito preocupada" com a prisão de duas ativistas dos direitos das mulheres. Nassima Al-Sadah e Samar Badawi, ativista laureada em 2012 com o Prêmio Internacional às Mulheres de Coragem do Departamento de Estado dos EUA, foram detidas na semana passada por protestarem contra a lei que obriga a mulher saudita a pedir autorizações ao marido para uma série de situações, incluindo viajar. 

Badawi também é irmã do dissidente e escritor saudita Raif Badawi, cujos familiares receberam cidadania canadense no mês passado e hoje vivem no Quebec.

 

 

No domingo, 5, a embaixada canadense na Arábia Saudita publicou, em árabe, o comunicado da ministra exigindo a soltura imediata das ativistas. Foi a primeira vez que a representação canadense criticou oficialmente a série de prisões contra dissidentes e ativistas de direitos humanos que ocorre na Arábia Saudita desde maio.

Nesta segunda, o príncipe Mohammed bin Salman respondeu às críticas com a ordem de expulsão do embaixador canadense no país, que deverá deixar o reino em 24 horas. O governo saudita também suspendeu acordos de comércio e investimentos mantidos com o Canadá e, segundo a mídia local, a retaliação levará ao corte de programas de intercâmbios firmados entre os dois países, afetando 12 mil estudantes sauditas que estudam no Canadá com bolsas subsidiadas pelo governo.

A empresa aérea estatal saudita também suspenderá todos os voos para o Canadá a partir da próxima segunda-feira, 13. 

Mais cedo, o ministério de Relações Exteriores da Arábia Saudita classificou as críticas e exigências canadenses como uma "flagrante interferência em assuntos domésticos do Reino, indo contra todas as normas e protocolos internacionais" e também uma "inaceitável afronta às leis e ao processo judicial do Reino."

A Arábia Saudita é o segundo maior mercado de exportação do Canadá no Golso Pérsico, com exportações excedendo 1,4 bilhões de dólares canadenses em 2017, segundo dados do Statistics Canadá. A maior parte dos produtos enviados ao país árabe são veículos e armas, incluindo um acordo de US$11,5 bilhões firmado em 2014 pelo então primeiro-ministro Stephen Harper. //THE WASHINGTON POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.