Arábia Saudita fecha embaixada no Egito após protestos

A Arábia Saudita fechou sua embaixada no Cairo neste sábado e retirou seu embaixador no país após manifestações contra a prisão de um defensor de direitos humanos egípcio terem elevado as tensões entre os dois países. A inesperada ruptura diplomática saudita veio após dias de protestos de centenas de egípcios em frente à embaixada saudita no Cairo e nos consulados do país em outras cidades egípcias pedindo a libertação de Ahmed el-Gezawi.

Agência Estado

28 de abril de 2012 | 20h12

Parentes e grupos de direitos humanos afirmam que ele foi detido sob acusação de insultar a monarquia saudita. As autoridades sauditas negam essas alegações e afirmam que o advogado foi preso por tentar entrar com drogas no país.

O colapso do regime de Hosni Mubarak no Egito, no ano passado, chocou a monarquia saudita, que viu os acontecimentos no Cairo como um sinal de suas próprias vulnerabilidades potenciais e como o apoio do Ocidente pode subitamente mudar de lado e abandonar aliados de longa data. Autoridades sauditas vêm acompanhando crescentemente a trajetória pós-revolução no Egito, particularmente os ganhos políticos da Irmandade Muçulmana, uma vez que tendências preocupantes poderão encorajar maior oposição no Golfo.

Uma ruptura total nos laços entre Cairo e Riad parece improvável, uma vez que a Liga Árabe lida com a complicada situação de confronto entre oposição e o regime de Bashar Assad na Síria, mas o aprofundamento nas fissuras do relacionamento entre os dois países ressalta profundas mudanças na hierarquia da região, com os países do Golfo usando sua influência e relativa estabilidade para exercer maior controle sobre questões mais abrangentes no Oriente Médio.

O Egito, por sua vez, tentou conter a reação saudita. O comandante militar do Egito, marechal Hussein Tantawi, entrou em contato com os sauditas para "remediar a ruptura após a súbita decisão", informou a agência de notícias estatal do Egito. Tantawi pediu ao rei Abdullah para reconsiderar sua decisão, segundo a agência, e o monarca saudita afirmou que avaliaria a questão nos próximos dias, citando a "longa história de amizada entre os dois países".

O governo egípcio divulgou um comunicado lamentando o comportamento de alguns manifestantes e ressaltando que o governo e o povo egípcio têm a Arábia Saudita em "alta consideração". A agência estatal do Egito também publicou uma cópia do que afirma ser uma confissão assinada pelo advogado Ahmed el-Gezawi admitindo o porte de drogas, num claro esforço para aplacar a reação do público egípcio. O braço político da Irmandade Muçulmana, entretanto, que disputa o poder no país com a junta militar que governo o Egito desde a revolução que derrubou Mubarak, apoiou os manifestantes. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.