Reprodução
Reprodução

Arábia Saudita forma coalizão com 34 países islâmicos para combater o terrorismo

Segundo uma agência de notícias local, objetivo da aliança é ‘unir esforços para combater o terrorismo’ em todas as suas formas e manifestações

O Estado de S. Paulo

15 de dezembro de 2015 | 08h59

RIAD - A Arábia Saudita anunciou uma coalizão militar de 34 países islâmicos para combater o terrorismo, que também conta com o apoio de outros dez, como Indonésia. Segundo a agência de notícias saudita SPA, Irã e Iraque não participam da aliança, que terá seu centro de operações conjuntas em Riad, capital da monarquia wahabita.

De acordo com a agência, o objetivo da aliança islâmica é proteger seus integrantes "dos males de todos os grupos armados e organizações terroristas - seja qual for sua doutrina e título - que ampliaram os massacres e a corrupção no mundo e foram criadas para aterrorizar os inocentes".

O propósito da coalizão é "unir esforços para combater o terrorismo" em todas as suas formas e manifestações, e assegurar o direito dos Estados à legítima defesa. A aliança responde à "preocupação do mundo islâmico para combater o terrorismo e ser um sócio na luta mundial contra esta praga", afirmou o ministro da Defesa saudita e futuro príncipe herdeiro, Mohamed Ben Salman.

As operações militares para combater o terrorismo e desenvolver os programas e mecanismos necessários para apoiar estes esforços serão coordenadas em Riad. As decisões serão adotadas em coordenação com alguns países e organizações internacionais "em prol do apoio aos esforços globais para combater o terrorismo e para garantir a paz e a segurança internacionais", acrescentou o governo saudita em um comunicado.

Os 34 governos baseiam sua coalizão nos princípios e objetivos da Carta da Organização de Cooperação Islâmica, "que convida os Estados-membros a cooperarem para combater o terrorismo em todas as suas formas e manifestações e rejeita todas as justificativas e desculpas para o terrorismo". Além disso, os países se apoiam nas disposições contidas na Carta das Nações Unidas e em outras convenções internacionais voltadas para a erradicação do terrorismo.

Além da Arábia Saudita, os países que participam da aliança são: Jordânia, Emirados Árabes, Paquistão, Bahrein, Bangladesh, Benin, Turquia, Chade, Togo, Tunísia, Djibuti, Senegal, Sudão, Serra Leoa, Somália, Gabão, Guiné, Palestina, Comores, Catar, Costa do Marfim, Kuwait, Líbano, Líbia, Maldivas, Mali, Malásia, Egito, Marrocos, Mauritânia, Níger, Nigéria e Iêmen.

Outros 10 países muçulmanos, entre eles a Indonésia, apoiam a nova coalizão e podem aderir ao grupo no futuro, segundo a agência Spa. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.