AFP PHOTO / FAYEZ NURELDINE
AFP PHOTO / FAYEZ NURELDINE

Arábia Saudita intercepta 7 mísseis lançados por rebeldes houthis

Coalizão árabe liderada por Riad informou que os estilhaços de um dos morteiros destruídos mataram um egípcio

O Estado de S.Paulo

26 Março 2018 | 00h35
Atualizado 26 Março 2018 | 15h09

RIAD - Os sistemas de defesa antiaérea da Arábia Saudita interceptaram no domingo 25 sete mísseis lançados pelos rebeldes houthis do Iêmen no noroeste da capital saudita, segundo a coalizão árabe liderada por Riad, que informou que os estilhaços de um dos morteiros destruídos mataram um residente egípcio.

+ Governo do Iêmen qualifica ação de separatistas no sul do país de ‘golpe fracassado’

+ Separatistas tomam sede do governo iemenita

Segundo o porta-voz da coalizão, Turki al Maliki, que responsabilizou o Irã pelo ataque, três dos projéteis se dirigiam a Riad, um a Khamis Mashit, na Província de Asir, outro a Nachran e dois a Yazan.

+ Arábia Saudita acusa Irã por míssil balístico interceptado na fronteira com Iêmen

+ Bombardeio de coalizão saudita mata 14 civis em mercado no Iêmen

De acordo com Malki, os foguetes foram lançados "aleatoriamente contra áreas civis e povoadas". "Esta ação inimiga e aleatória por parte do grupo dos houthis apoiados pelo Irã demonstra a continuação do apoio do regime iraniano à associação armada dos houthis, com o objetivo de ameaçar a segurança do reino saudita e a segurança da região e internacional", ressaltou o porta-voz militar.

"O que as milícias houthis fizeram representa um perigoso desenvolvimento da guerra das organizações terroristas e dos países que patrocinam o terrorismo, como o regime iraniano", concluiu.

O ataque coincide com o terceiro aniversário da intervenção da coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita na Guerra do Iêmen, que generalizou o conflito e provocou a pior crise humanitária do mundo em 2017.

Relembre: Conflito no Iêmen deixa 1.850 mortos e mais de 500 mil deslocados

Nos últimos meses, o lançamento de mísseis por parte dos rebeldes contra o território saudita se tornou uma prática habitual, mas em poucas ocasiões os projéteis chegaram até Riad.

A Arábia Saudita culpa o Irã pelas ações dos houthis, acusando o país de ameaçar a segurança nacional saudita e de apoiar grupos xiitas armados na região. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.