Arábia Saudita nega ter ajudado terroristas do 11 de setembro

A Arábia Saudita negou hoje asacusações de que ajudou a financiar dois dos seqüestradoresenvolvidos nos atentados do 11 de setembro nos EUA. Nailal-Jubeir, assessor do príncipe Abdullah, governador de facto daArábia Saudita, qualificou as informações de que a mulher doembaixador saudita em Washington enviou dinheiro aosseqüestradores de "falsas e irresponsáveis". De acordo com informações divulgadas pela imprensaamericana no sábado, citando uma investigação do FBI, doisseqüestradores do avião lançado contra o Pentágono - Khalidal-Mihdhar e Nawaf al-Hazmi - receberam US$ 3,5 mil por mês dedois estudantes sauditas nos EUA por meio de uma conta correnteem nome da princesa Haifa al-Faisal, mulher do embaixador daArábia Saudita nos EUA, Bandar bin Sultan. Al-Jubeir disse que o dinheiro não veio diretamente daprincesa. Segundo o governo saudita, a princesa Haifa dooudezenas de milhares de dólares para o que ela acreditava sercaridade à família de um saudita, Osama Bassnan, que morava emSan Diego. Ele é acusado de ter ajudado Al-Mihdhar e Al-Hazmi. Funcionários sauditas e amigos americanos dizem que aprincesa começou a fazer contribuições de US$ 2 mil por mêsdepois de ter recebido em 1998 uma carta da mulher de Bassnan, ajordaniana Magda Ibrahim Ahmed, pedindo ajuda para pagardespesas médicas. Bassnan e um vizinho saudita em San Diego, Omaral-Bayoumi, começaram a ser investigados pelo FBI depois do 11de setembro, quando se descobriu que eles ajudaram Al-Midhar eAl-Hazmi, quando estes moraram nessa cidade nos meses antes dosatentados. Agentes do FBI disseram que Bayoumi encontrou-se comos dois seqüestradores em 1999 em Los Angeles e pagou seualuguel por dois meses depois que eles se mudaram para SanDiego. Al-Jubeir disse que uma investigação nos documentos daEmbaixada em Washington não encontrou evidências de que odinheiro do governo saudita tenha ido parar nas mãos de Bayoumiou de sua família, apesar de que um cheque enviado a Magda tenhasido endossado em favor de uma pessoa que pode ser a mulher deBayoumi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.