Luke MacGregor/Bloomberg
Luke MacGregor/Bloomberg

Arábia Saudita rejeita decisão do Senado americano sobre assassinato de Jamal Khashoggi

Na semana passada, em decisão unânime os senadores americanos acusaram o príncipe da monarquia saudita de ser culpado pelo assassinato do jornalista

O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2018 | 10h16

RIAD - A Arábia Saudita rejeitou nesta segunda-feira, 17, a resolução do Senado dos Estados Unidos que culpa o príncipe da monarquia saudita, Mohammed bin Salman, pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. A medida havia sido aprovada na semana passada com unanimidade entre republicanos e democratas, contrariando o presidente Donald Trump.

Os sauditas disseram que a resolução americana “continha evidentes interferências” nos assuntos internos do reino e abala o papel regional e internacional do país e que tem base em “alegações e afirmações não comprovadas”.

“O reino categoricamente rejeita quaisquer interferências nos seus assuntos internos, toda e quaisquer acusações, de qualquer maneira, que sejam desrespeitosas à sua liderança, e qualquer tentativa de abalar a sua soberania ou diminuir a sua estatura”, disse a declaração.

A Arábia Saudita também disse que o reino “reafirma” o seu compromisso com as relações com os Estados Unidos e descreve o Senado americano como “uma estimada parte legislativa aliada e amigável ao governo”.

Na semana passada, senadores dos EUA aprovaram também o fim da participação dos americanos na guerra do Iêmen, conflito liderado pela Arábia Saudita em coalizão com outros países da região. Secretários do governo de Trump se pronunciaram contra a medida e tentarão barrá-la na Câmara. Riad afirma que a resolução americana não afetará o “papel central do reino na região”, a estabilidade dos mercados internacionais, a cooperação de contraterrorismo e a parceria com os EUA para confrontar o Irã. Segundo os sauditas, “(a medida) manda recados errados para todos que querem causar uma ruptura na relação entre a Arábia Saudita e os EUA”. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.