Arafat aceita plano de liberdade proposto pelos EUA

O presidente daAutoridade Palestina, Yasser Arafat, aceitou hoje um planoproposto pelos Estados Unidos para pôr um fim ao cercoisraelense de seu quartel-general em Ramallah, na Cisjordânia. Aproposta já havia sido aprovada previamente pelo gabinete doprimeiro-ministro Ariel Sharon.O plano, cuja data de implementação ainda não está clara,prevê que soldados norte-americanos e britânicos fiquemresponsáveis pela custódia de seis palestinos procurados porIsrael e que se encontram dentro do QG de Arafat. Por sua vez, olíder palestino poderia se movimentar livremente pela Faixa deGaza e Cisjordânia.O presidente dos EUA, George W. Bush, fez a proposta ontem emconversação telefônica com Sharon. Mais tarde, o secretário deEstado Colin Powell enviou uma carta oficial a Israelapresentando o plano.Com o sinal verde palestino, a proposta deverá resolver oimpasse em torno do quartel-general e dos escritórios de Arafat,cercados pelas tropas israelenses desde 29 de março, quando teveinício a incursão militar na Cisjordânia.Os israelenses exigem a entrega de cinco palestinos acusadosde envolvimento no assassinato do ministro do Turismo RehavamZeevi, e de um sexto homem, este acusado de organizar umcarregamento de armas do Irã em um navio que fora interceptadopor Israel no Mar Vermelho em janeiro.Os palestinos detiveram os seis e os estavam mantendo em umaprisão no complexo de Arafat antes da incursão israelense. Osseis foram levados para os escritórios de Arafat para evitar queos israelenses os capturassem.

Agencia Estado,

28 de abril de 2002 | 15h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.