Arafat aceita plano de liberdade proposto pelos EUA

O presidente daAutoridade Palestina, Yasser Arafat, aceitou hoje um planoproposto pelos Estados Unidos para pôr um fim ao cercoisraelense de seu quartel-general em Ramallah, na Cisjordânia. Aproposta já havia sido aprovada previamente pelo gabinete doprimeiro-ministro Ariel Sharon.O plano, cuja data de implementação ainda não está clara,prevê que soldados norte-americanos e britânicos fiquemresponsáveis pela custódia de seis palestinos procurados porIsrael e que se encontram dentro do QG de Arafat. Por sua vez, olíder palestino poderia se movimentar livremente pela Faixa deGaza e Cisjordânia.O presidente dos EUA, George W. Bush, fez a proposta ontem emconversação telefônica com Sharon. Mais tarde, o secretário deEstado Colin Powell enviou uma carta oficial a Israelapresentando o plano.Com o sinal verde palestino, a proposta deverá resolver oimpasse em torno do quartel-general e dos escritórios de Arafat,cercados pelas tropas israelenses desde 29 de março, quando teveinício a incursão militar na Cisjordânia.Os israelenses exigem a entrega de cinco palestinos acusadosde envolvimento no assassinato do ministro do Turismo RehavamZeevi, e de um sexto homem, este acusado de organizar umcarregamento de armas do Irã em um navio que fora interceptadopor Israel no Mar Vermelho em janeiro.Os palestinos detiveram os seis e os estavam mantendo em umaprisão no complexo de Arafat antes da incursão israelense. Osseis foram levados para os escritórios de Arafat para evitar queos israelenses os capturassem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.