Arafat acusa Bush de esvaziar plano de paz

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, contestou neste sábado as afirmações do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e defendeu que o estabelecimento de um Estado palestino soberano e independente até 2005 é um objetivo "mais que realista". Em entrevista publicada na sexta-feira pelo jornal egípcio Al-Ahram, Bush havia declarado que a criação de um Estado para os palestinos em 2005, conforme estabelece o roteiro para a paz, era uma meta "irreal e difícil", em função da violência que ainda impera na região. Arafat observou neste sábado que, "segundo acordos que firmamos na Casa Branca, em Wye River, Camp David, Sharm el-Sheikh, Taba e o Plano Mitchell, o estabelecimento de um Estado palestino deveria ter ocorrido entre 1998 e 1999". O líder palestino acusou Bush de "esvaziar" o plano de paz. "Ao alterar o calendário e os mecanismos para pôr fim à ocupação dos territórios ocupados por Israel, Bush esvazia de conteúdo o roteiro para a paz", disse Arafat. Elaborado pelo "Quarteto" (EUA, Organização das Nações Unidas, União Européia e Rússia), o plano de paz foi abandonado pelos negociadores há quase um ano, depois de mais uma das diversas escaladas de violência dos mais de três anos e meio de conflito na região. A implementação do plano deveria ter sido iniciada em 2003, estabelecendo fronteiras provisórias para o Estado palestino, até alcançar em 2005 um acordo definitivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.